quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Ter ou não ter feriados


Continuam as negociações sobre a redução de feriados, civis e religiosos, a implementar a partir deste ano civil. Ou talvez do próximo, já que a Igreja Católica avisou o Governo de que poderá já não haver tempo útil para alterar o calendário de festividades litúrgicas definido para este ano de 2012.
Gosto tanto de um feriado como outra pessoa qualquer. E nem me passa pela cabeça tomar posição nessa controvérsia do aumento (ou não) da produtividade através da extinção dos feriados. O que realmente me deixa perplexa é o critério utilizado para escolher os feriados a extinguir.
Os feriados religiosos são da responsabilidade da Igreja. Os feriados civis são da responsabilidade do governo e resultam da necessidade de festejar alguma coisa que é importante para a comunidade. E o governo optou pelo 5 de Outubro, que assinala a implantação da República, e o 1.º de Dezembro, que celebra a Restauração da Independência de Portugal. Terá tirado à sorte? O 5 de Outubro, tal como o 25 de Abril, festejam mudanças de regime, do regime monárquico para o republicano, da ditadura para a democracia. Datas significativas, sem dúvida. O 10 de Junho foi um feriado criado no Estado Novo, para exaltar a Pátria, a Raça e o Império. Associaram-lhe Camões e tornou-se o dia de Portugal e das Comunidades Portuguesas. Mas nenhum destes feriados existiria sem a independência do país. Sem o movimento dos Conjurados que, em 1 de Dezembro de 1640, toma o poder e luta, durante vinte e oito anos, pela independência de Portugal e pela recuperação dos territórios sem os quais o país não seria economicamente viável, não haveria Portugal. Sem esse acontecimento refundador da nação, não haveria ocasião para festejar nenhum dos outros feriados. Talvez muitos não se importem. A mim, parece-me absurdo acabar com o feriado do 1.º de Dezembro. Espero que o país não se apague, juntamente com a data!


(Obelisco comemorativo da Restauração da Independência, no Largo dos Restauradores, em Lisboa - imagem da net)

11 comentários:

  1. Nos civis, acabava com a 3ª feira de Carnaval, por uma vez!
    Localidades como a Mealhada, por exemplo, até podiam fazer Feriado Municipal.
    Abolia DEFINITIVAMENTE o 5 de Outubro, pois começar uma república com o assassinato cobarde do Rei não é para ser comemorado.
    Concordo inteiramente com a continuação do 1º de Dezembro. As suas observações, Teresa, estão correctíssimas.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá João
      Também acho que o feriado do Carnaval podia ser Municipal. As coisas têm é de ser definidas com antecedência.
      Bjs

      Eliminar
  2. Estes governantes sabem lá alguma coisa de história ou das tradições portuguesas! Parece que só entendem a linguagem dos número. E mal... :P

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os números servem para algumas coisas, mas lidam mal com as emoções.
      Bjs

      Eliminar
  3. Miguel Ângelo Fernandes1 de março de 2012 às 07:22

    Se me perguntarem, sempre direi ser católico, mas quase apenas pela educação que tive, infelizmente não pelas "grandes convicções" religiosas que me assaltem. Não é pois essa razão que sustenta a minha opinião contudo, parece-me de sublinhar a forma mais séria e empenhada como a Igreja pondera sobre os feriados religiosos que poderão e como poderão ser eliminados ou diferidos para os fim-de-semana seguinte...
    A política não é menos idosa que a religião, mas os sinais de maturidade são obviamente diferentes...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, parece-me que a Igreja Católica está a lidar com esta questão da redução dos feriados com uma ponderação superior à do governo.

      Eliminar
  4. Concordo com a tua opinião e a do João Meneres!
    xx

    ResponderEliminar
  5. Teresa

    Eu penso que este ânimo leve para " rasgar" páginas da nossa História, não importa muito ao Governo! O "SER" já nada lhes diz e o importante é o "TER" e ficar muito bem comportadinhos na foto da Troika!! Portugal...é um exemplo!! Olha que bem...e o povo a morrer de fome!! Não seria muito mais importante estudar o modo de minimizar toda esta tragédia, com medidas suaves e humanas? Feriado para cá, feriado para lá---sem dúvida, Teresa, a eliminação foi tirada à sorte!! Não é à sorte que anda este país???
    Beijocas
    Graça

    ResponderEliminar
  6. Amiga Teresa:

    Acho sinceramente um desperdício de tempo, perderem tempo com estas questões quando a nossa realidade precisa é de acções.
    Também estou de acordo consigo pela dualidade de critérios na escolha dos feriados.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Ou muito me engano, ou este ano ainda vamos ficar sem os dois civis, mas continuaremos a respeitar os dois religiosos. Falta pouco tempo para sabermos a resposta.

    ResponderEliminar
  8. Eu não concordo com a abolição dos feriados civis, pois todos eles são marcos de importantes acontecimentos da História de Portugal.
    O dia de Carnaval não é um feriado, é um dia que costuma ter tolerância de ponto e nada mais; não discordo que que deixe de haver, mas com programação a tempo e a possibilidade de ser o feriado municipal nos locais em que o Carnaval é importante.
    Já quanto aos feriados católicos, concordo em absoluto com a extinção do Corpo de Deus e do 15 de Agosto.
    Não é por haver menos dois ou três dias de trabalho no ano que a produtividade cresce muito; sou é a favor da extinção das pontes.

    ResponderEliminar