quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Do prazer da partilha

Inicia-se hoje, aqui neste blogue, uma quinzena dedicada exclusivamente ao amor. O pretexto é o dia dos Namorados, que se festeja no dia 14 de fevereiro, mas é apenas isso mesmo, um pretexto, para celebrar o sentimento mais forte de que o ser humano é capaz: o Amor. Há muitas espécies de amor, maternal, filial, fraternal, mas o que aqui se comemora é mesmo esse sentimento inexplicável que faz um ser desejar outro ser, não um qualquer, mas apenas aquele, o que faz sonhar, chorar, provoca suores frios, crises de taquicardia e, eventualmente, uma sensação de felicidade e plenitude.
Muito já se disse e escreveu sobre o amor. Resolvi ir buscar alguns desses textos e reproduzi-los aqui no blogue, ao longo destes dias. A escolha é minha, e portanto criticável, são textos de que eu gosto, escritos por pessoas que gosto de ler. Cada um dá uma face diferente desse sentimento. Gostava que me dessem a vossa opinião, mesmo que seja muito crítica ou negativa. Afinal, não há sentimento que provoque reações tão diversas.
Para começar, e porque a conversa já vai longa, escolhi um pequeno texto de José Luis Peixoto, sobre as coisas ridículas que, feitas ao lado da pessoa amada, até se tornam interessantes e divertidas. Ou, simplesmente, sobre o prazer da partilha. 

"As canções e os poemas ignoram tanto acerca do amor. Como se explica, por exemplo, que não falem dos serões a ver televisão no sofá? Não há explicação. O amor também é estar no sofá, tapados pela mesma manta, a ver séries más ou filmes maus. Talvez chova lá fora, talvez faça frio, não importa. O sofá é quentinho e fica mesmo à frente de um aparelho onde passam as séries e os filmes mais parvos que já se fizeram. Daqui a pouco começam as televendas, também servem."

                           (José Luis Peixoto in Visão , janeiro de 2012)

(José Luis Peixoto, Google images)

14 comentários:

  1. Começaste lindamente, com José Luís Peixoto, que apenas "descobri" no ano passado e do qual fiquei fã... :)

    L'amour, toujours l'amour! :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Teté
      Também gosto tanto do José Luis Peixoto! E este texto é tão simples, quase ingénuo, bem diferente do estilo a que ele nos habituou. Efeitos do amor!
      Bjs

      Eliminar
  2. Ai, Teresinha...o tema que tu tinhas de escolher!!!
    Para mim, a melhor definição de amor ainda é a do nosso Camões.
    Bjs
    (acho q fiquei doente)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana
      Não gostaste do tema? Não me digas que ficaste doente por causa disso!
      Bjs

      Eliminar
  3. Que coincidência, Teresa, iniciou também uma 'Quinzena do Amor'.

    Gostei. Nunca é demais. Vamos, pois, falar de amor e construir um mundo melhor.Gosto muito de José Luís Peixoto.

    Bj

    Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olinda
      Juro que não quis roubar o nome da quinzena, saiu assim...
      Mas concordo, no meio de toda esta crise, de toda esta tristeza, falar de amor é um bálsamo...
      Beijinhos.

      Eliminar
  4. Gostei imenso dessa tua ideia e, imagina, gostei imenso do texto que escolheste. Como dizes, tão simples e tão verdade...
    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rosita
      Às vezes, as coisas mais simples são as mais verdadeiras. Ainda bem que gostaste do texto.
      Bjs

      Eliminar
  5. Eu ADORO este homem! =)já escrevi no meu "poleiro" acerca dos livros que li e, uma das ideias mais fortes que me ficou foi precisamente a incapacidade confessa de amar que o JLP revela e que, ironicamente, demonstra como ele sabe amar as coisas mais ridículas e insignificantes. Soubéssemos nós todos amar assim...!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Briseis
      Diga o JLP o que disser, o que ele revela é uma grande sensibilidade e capacidade de amar.
      Bjs

      Eliminar
  6. Também eu estou a descobrir o Peixoto.
    Mas esta frase, que nem é de um livro seu, é mesmo extraordinária e define em absoluto o que é o amor: a partilha de pequenos "nadas"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pinguim
      É isso mesmo, amar é partilhar com prazer mesmo as coisas mais insignificantes.
      Bjs

      Eliminar
  7. Que bela ideia e que belo texto para começar...
    Aqui vai o meu contributo... passo a publicidade...

    ResponderEliminar