terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Da separação


E quando o amor se acaba? Quando chega uma separação, forçada ou intencional, prevista ou inesperada? O nosso mundo fica em ruínas para sempre... ou até ao momento em que o coração, um músculo trabalhador, recomeça a bater por outro amor. Ainda bem que é assim!
Martha Medeiros é uma jornalista, escritora e poetisa brasileira, e eu gosto muito de ler os seus textos. Neste, ela fala precisamente sobre esse trauma que, provavelmente, já sacudiu a vida que quase todos nós, a separação.

O amor, tão nobre, tão denso, tão intenso, acaba. Rasga a gente por dentro, faz um corte profundo que vai do peito até a virilha, o amor se encerra bruscamente porque de repente uma terceira pessoa surgiu ou simplesmente porque não há mais interesse ou atração, sei lá, vá saber o que interrompe um sentimento, é mistério indecifrável. Mas o amor termina, mal-agradecido, termina, e termina só de um lado, nunca se encerra em dois corações ao mesmo tempo, desacelera um antes do outro, e vai um pouco de dor pra cada canto. Dói em quem tomou a iniciativa de romper, porque romper não é fácil, quebrar rotinas é sempre traumático. Além do amor existe a amizade que permanece e a presença com que se acostuma, romper um amor não é bobagem, é fato de grande responsabilidade, é uma ferida que se abre no corpo do outro, no afeto do outro, e em si próprio, ainda que com menos gravidade. 

E ter o amor rejeitado, nem se fala, é fratura exposta, definhamos em público, encolhemos a alma, quase desejamos uma violência qualquer vinda da rua para esquecermos dessa violência vinda do tempo gasto e vivido, esse assalto em que nos roubaram tudo, o amor e o que vem com ele, confiança e estabilidade. Sem o amor, nada resta, a crença se desfaz, o romantismo perde o sentido, músicas idiotas nos fazem chorar dentro do carro. 

Passa a dor do amor, vem a trégua, o coração limpo de novo, os olhos novamente secos, a boca vazia. Nada de bom está acontecendo, mas também nada de ruim. Um novo amor? Nem pensar. Medo, respondemos. 

Que corajosos somos nós, que apesar de um medo tão justificado, amamos outra vez e todas as vezes que o amor nos chama, fingindo um pouco de resistência mas sabendo que para sempre é impossível recusá-lo.

(Martha Medeiros, fotografia do Google images)

5 comentários:

  1. Só quem nunca passou por isso, pode ignorar o quanto se sofre.

    ResponderEliminar
  2. "Eu sei e você sabe, já que a vida quis assim
    Que nada nesse mundo levará você de mim
    Eu sei e você sabe que a distância não existe
    Que todo grande amor só é bem grande se for triste
    Por isso, meu amor, não tenha medo de sofrer
    Que todos os caminhos me encaminham pra você
    .../..."
    ... a outra metade do Oswaldo Montenegro nas "Horas extraordinárias do amor"
    Eu não existo sem você

    ResponderEliminar
  3. Como diz uma amiga minha, amor é como o autocarro: perde um, apanha o seguinte! :)

    Mas no compasso de espera não deixa de doer, evidentemente!

    Gostei do texto, bastante mais poético que a teoria da minha amiga... :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  4. Olá Teresa,

    voltei ao meu blogue e assim apercebi-me k tens escrito bastante. É bom ter-te de volta.
    O Amor é mesmo complicado e difícil. Sempre amei pessoas erradas, homens k me fizeram sofrer, até k encontrei o Nando.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. O sofrimento também faz parte do amor, como diz a canção, não é?
    Ainda bem que, às vezes, as coisas resultam bem.
    Bjs

    ResponderEliminar