segunda-feira, 26 de abril de 2010

A Neblina do Passado

Ainda à boleia do Dia Mundial do Livro, que se comemorou há pouco, resolvi dar uma olhadela aos livros que tenho lido nos últimos tempos e eleger aquele de que gostei mais. Como todos sabem, sou um tanto caótica nas minhas leituras e leio todo o tipo de coisas, desde que me despertem a atenção, por alguma razão. Geralmente, tenho um fraquinho pela literatura lusófona mas, desta vez, o meu eleito não é um autor lusófono. É Leonardo Padura e o seu livro A Neblina do Passado. Comprei-o por curiosidade, porque ganhou o Prémio Dashiell Hammett 2006, da Associação Internacional de Escritores de Romances Policiais. No entanto, A Neblina do Passado é muito mais do que um livro policial. É uma viagem pela história de Cuba nos últimos cinquenta anos e  uma visão, desencantada e realista, da vida quotidiana na Havana da actualidade. 


Havana, Verão de 2003. Passaram-se catorze anos desde que o desencantado tenente Mario Conde abandonou a polícia. Durante esse tempo, Cuba sofreu muitas alterações e Mario Conde - agora mais velho e com cicatrizes na pele e no coração - ganha a vida com a compra e venda de livros em segunda mão. A descoberta fortuita de uma valiosa biblioteca permite-lhe sonhar com um negócio magnífico, capaz de aliviar as suas dificuldades financeiras. Mas num dos volumes encontrados aparece uma folha de uma revista, na qual uma escritora de boleros dos anos 50, Violeta del Río, anuncia a sua retirada no auge da carreira. Atraído pela sua beleza e pelo seu misterioso afastamento, Conde inicia por sua conta e risco uma investigação que irá trazer à luz um passado turbulento, entaipado há mais de quarenta anos, tal como a fabulosa biblioteca. (Resenha incluída no livro, da responsabilidade da editora ASA)

Leonardo Padura nasceu em 1955, em Havana, e tem trabalhado como romancista, ensaísta, jornalista e argumentista. Foi já distinguido com diversos prémios literários, dos quais destaco o Prémio Buchkultur para o Melhor Romance Policial do Ano, atribuído na Áustria, em 2004, para o livro Ventos de Quaresma.
É uma leitura de qualidade, que recomendo a todos. Garantidamente.

20 comentários:

  1. Fiquei curiosa e com muita vontade de o ler. Gosto de um bom policial e de conhecer a História e as estórias de outros países.

    Obrigada pela sugestão de leitura.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Já me falaram desse livro, mas ainda não li. Tenho tantos em fila de espera...

    ResponderEliminar
  3. Há muito tempo que te quero dizer, Teresa, que Expiação do Ian McEwan é um dos meus livros preferidos. Li quase todos os romances do Ian McEwan e gostei especialmente de Saturday.

    Nunca ouvi falar do Leonardo Padura nem do seu livro A Neblina do Passado. Do Dashiell Hammett também nunca li nada, mas vi os filmes baseados nos romances dele. Não gosto de ler romances policiais, mas adoro filmes policias "film noir".

    Para o Círculo Literário, que se realiza no dia 21 de Maio. tenho que ler "A rapariga que roubava livros" do austríaco Markus Zusak, mas só consegui ler as primeiras páginas - até agora tem sido um sacrifício.
    Ganhou o Prémio de Literatura Juvenil Alemã em 2007 - a maneira de escrever do autor é mais para jovens.

    Descobri há pouco tempo um escritor uruguaio (eu que nem gosto da Literatura da América Latina) chama-se Eduardo Galeano, já leste alguma coisa dele?

    A literatura é que nos ajuda a esquecer as chatices do dia a dia!!!

    ResponderEliminar
  4. Pelo jeito é bom mesmo! Um beijos,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  5. Natália
    Se quiseres, empresto-te o livro. Depois combinamos.
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Carlos
    Pois é, eu tenho o mesmo problema: mais livros para ler do que consigo dar conta. Enfim...
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Ematejoca
    Também gosto muito do Ian McEwan. Mas este Leonardo Padura, de quem nunca tinha ouvido falar (comprei o livro num impulso) foi realmente uma boa surpresa. Ao contrário de ti, eu gosto da literatura sul-americana, dos brasileiros que devorei na minha juventude (já uma vez falámos do Erico Veríssimo) até Garcia Marquez, Luis Sepulveda, Pablo Neruda,...
    Não conheço esse autor uruguaio de que falas, mas estou sempre disposta a conhecer um autor novo. Se até à página 30, mais ou menos, não me consegue prender, largo e passo para outro. Há tanto livro para ler! Aconselho-te a fazer o mesmo com o teu austríaco :)
    Concordo, a literatura é um oásis no meio das chatices, como o cinema, o teatro, a arte em geral. Ainda bem que existe!
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Também sou caótica nas leituras que faço...
    Fica uma dica que me vai ser útil, não conheço sequer o autor.
    Acabei de ler "A Vida em Surdina" de David Lodge (este é um autor de que gosto muito) e achei o romance bastante divertido e ao mesmo tempo comovente.
    Abracinho

    ResponderEliminar
  9. Maria Teresa
    Fica outra dica, também, para mim.
    Bjs

    ResponderEliminar
  10. Não conheço Leonardo Padura. O seu comentário leva-me a procurar o livro, apesar da considerável fila de espera...
    Sou leitor compulsivo e dificilmente consigo estar num espaço sem livros. Já não sei onde os colocar. Bem precisava de mais uma assoalhada. Tenho-os por toda a parte. Até na mesa da cozinha, onde por regra tomamos as refeições, estão dois! Isto é quase vício, pois é, mas não há volta a dar!
    De momento estou a ler "O Homem que inventou Fidel" de Herbert L. Matthews, que foi correspondente internacional do The New York Times. A edição é da Bizâncio (2006). Preparo-me para depois concluir a leitura de "Inventar a Solidão", de Paul Auster, que interrompi aquando do meu internamento hospitalar.
    BJS

    ResponderEliminar
  11. Já vi esse livro na estante do meu filho! vou até lá dar uma espreitadela...obrigada pela dica, parece-me a gosto.
    Bjs

    ResponderEliminar
  12. Carlos
    Como é passado em Havana, ficava bem depois d' "O Homem que inventou Fidel". Esse é o tipo de livro com que me perco também também, livros de História ou de análise sociológica. Vou sempre lendo um, paralelamente aos literários. Agora é "O Império da Guerra", com textos de vários autores.
    Também gosto muito de Paul Auster.
    O problema é que há pouco tempo para ler! Ou então, lemos muito nos blogues e pouco no papel :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  13. Essa é uma boa sugestão.
    Vou aproveitá-la.

    Gosto imenso de literatura latino-americana;
    Tenho uma curiosidade especial em ver como evolui olhar dos escritores sobre a evolução de Cuba.

    Confio no teu bom gosto.

    Bjs

    ResponderEliminar
  14. Lilá(s)
    Acho que vais gostar, é belo e um tanto nostálgico. Depois diz-me.
    Bjs

    ResponderEliminar
  15. JPD
    Obrigada pelo voto de confiança :)
    Depois diz-me o que achaste do livro.
    Bjs

    ResponderEliminar
  16. parece-me bastante interessante e intrigante. tenho na fila de espera 'O espião que veio do frio' de John Le Carré. Gosto do género. Aliás, gosto de qualquer género, desde que me prenda o interesse. Obrigada pela sugestão.

    beijinho :)

    ResponderEliminar
  17. Helga
    John Le Carré foi um dos meus autores predilectos, durante algum tempo li tudo o que havia a ler. "O espião que veio do frio" é um livro óptimo, de espionagem, que é necessário situar na épocas e nas paranóias da Guerra Fria.
    Bjs

    ResponderEliminar
  18. Oi Teresa
    A Neblina do Passado, o nome sugere nostalgia .
    Vou anotr pra procurar . Sua recomendação é certeira.
    abraços

    ResponderEliminar
  19. Comprei o livro na Leitura por me ter parecido interessante e estar com um preço de feira, mas ainda não o li. Ainda bem que é um bom livro :)

    ResponderEliminar