sexta-feira, 2 de abril de 2010

In memoriam

(Texto produzido a propósito do desafio de Abril da Fábrica das Letras, com o tema Abismo)


Foi andando cada vez mais devagar, até parar o carro junto ao murete de protecção da ponte. Abriu a porta e acercou-se da balaustrada, ainda sem a certeza do que queria ou não fazer. As águas cor de tinta-da-China, correndo numa forte torrente de princípio de Primavera, lá em baixo, chamavam-no, como um apelo à liberdade. Sentia a atracção do abismo, daquele abismo.
Ninguém se desfaz da vida como de uma camisa velha. Mas ele olhava à volta, com os olhos da alma, e não encontrava outra saída. Tinha cinquenta anos e uma vida de procura. Não é simples “fazer a vida”. Os pais, os amigos diziam-lhe “Tens de fazer a tua vida”. Isso significava o quê? Desistir da música, dos sonhos? Arranjar um emprego a fazer, todos os dias, coisas de que não gostava? Sim, tinha-se convencido de que era essa a solução para “fazer a sua vida”. Tinha feito um curso superior, mas não tinha encontrado um emprego e, afinal, era da música que tinha chegado a oportunidade: dar aulas de Música. Primeiro, ficara entusiasmado. Mas depressa a realidade abafara o entusiasmo. Os alunos eram mal educados e cruéis. Especialmente, aqueles, daquela turma!
Voltou a olhar o abismo que se abria para a torrente de água, e que o chamava lá do fundo. Quantas vezes fizera queixa dos alunos daquela turma? Já perdera a conta, já deixara também de o fazer. Mas eram pedidos de socorro, como quem diz: “Por favor, ajudem-me, não estou a ser capaz de lidar com isto! Tenho cinquenta anos, mas sou só um professor contratado, um homem à beira do desespero! Não consigo um emprego estável, não sei fazer a minha vida! Sei que sou tímido, às vezes não sei lidar bem com as situações. Mas mereço algum respeito, não? Sei que posso ensinar música, é disso que eu gosto. Não gosto que não me respeitem, que não se calem quando eu estou a explicar qualquer coisa, que gozem com o que eu digo, com o que eu visto. Não gosto que me chamem parvo, não gosto que me chamem cão!”
As lembranças fizeram-no trepar pela balaustrada. Não, não era um cão. Talvez fosse diferente, mas não era um cão e não ia permitir que o tratassem assim. Antes morrer! Lembrou-se dos colegas, demasiado atarefados com os seus próprios problemas. Alguns deles, demasiado preocupados em mostrar que eram excelentes, que conseguiam controlar os alunos e dar as matérias e fazer até o pino, se fosse preciso, porque a avaliação estava aí! Como perder tempo a apoiar um colega?
Agarrou-se com força à balaustrada e pensou nas alternativas. Será que amanhã conseguia entrar na escola e voltar a enfrentar tudo outra vez? E devagarinho, como quem se abandona no colo da mãe, deixou-se cair no abismo das águas.

Este texto, ficcionado, é uma singela homenagem ao meu colega Luis, da Escola de Fitares, que se suicidou atirando-se da Ponte 25 de Abril, no passado mês de Fevereiro.

43 comentários:

  1. Lindo e emocionante ainda mais sabendo da dedicatória. Bela participação,Teresa!beijos,linda páscoa!chica

    ResponderEliminar
  2. Teresa sua história estremece o meu ser... "Fazer a vida" , é para pensar! Eliete

    ResponderEliminar
  3. Belo texto, forte e profundo.
    A desilusão é a arma de muitos.

    Sinto pelo seu amigo.
    Meus pêsames.

    Ana

    ResponderEliminar
  4. Com o teu texto, senti o que o Luis provavelmente sentia. A tua sensibilidade, assim o transmitiu.
    O Luis tem(é) um pedaço de cada um de "nós" que anda por cá no dia a dia...

    ResponderEliminar
  5. El Matador
    Uma homenagem póstuma é sempre amarga, mas às vezes é a única coisa que se pode fazer.
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Chica
    Obrigada, foi um texto dorido.
    Bjs e Boa Páscoa.

    ResponderEliminar
  7. Eliete
    Sabe que esta expressão "fazer a vida" sempre me fez confusão, sempre achei que era uma tarefa bem difícil.
    Bjs e obrigada pela sua presença. Volte sempre.

    ResponderEliminar
  8. Ana Cristina
    Não era meu amigo, mas era meu colega de profissão. Todos sentimos a sua morte e os problemas que ele enfrentou.
    Bjs. Volte sempre.

    ResponderEliminar
  9. MagyMay
    Não sei se era assim que ele o sentia, mas foi o que eu fui sentindo, à medida que fui lendo pedaços de coisas, nos jornais, na net. Sim, de certa forma, o Luis é um pedaço de cada um de nós.
    Bjs. Boa Páscoa para ti.

    ResponderEliminar
  10. Teresa, só podemos imaginar o desespero que se passa na cabeça de alguém para desistir assim da vida. Emocionante a tua dedicatória e que esse teu amigo tenha encontrado, finalmente, o descanso que procurava.
    Bj e boa pascoa.

    ResponderEliminar
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  12. Catsone
    É verdade, só podemos conjecturar, por isso, eu escrevi que o texto era ficcionado a partir dos indícios que eu fui recolhendo. Mas o desespero, só ele o poderia descrever.
    Bjs. Boa Páscoa.

    ResponderEliminar
  13. Sinto por você, querida. Um abração!

    ResponderEliminar
  14. Sueli
    Obrigada.
    Bjs para você e uma boa Páscoa.

    ResponderEliminar
  15. Olá!
    Quantos "Luises", não andarão por aí?
    Alguns escondiidos, atrás de anti-depressivos, por forma a dar continuidade a uma prifissão, que tanto investiram de si. Contudo, sentem-se completamente defraudados e desiludidos. Abandonados, pela tutela, pelo sistema, pelos colegas, pois a avaliação é o que conta, maltratados, por alunos, vaíados por vezes pelos encarregados de educação e por fim entregues à sua sorte.
    Por vezes, o desespero é tão grande, que termina com um fim trágico.
    Finalmente, o seu texto é actual, pertinente e presta homenagem a todos os "Luises" de uma classe docente.

    Uma Páscoa Feliz!
    Bj
    Maré Alta

    ResponderEliminar
  16. Amiga, li o teu texto arrepiada! como tu dizes andamos tão atarefados que nem um segundo nos sobra para apoiar um colega! no que nos estamos a transformar? quantas vezes vamos de coração apertadinho para enfrentar a turma A ou B? como nós entendemos o Luís...linda a tua homenagem.
    Um grande beijo

    ResponderEliminar
  17. Teresa
    Homenagem bonita e sentida, emocionou-me .
    Um professor! e eu que tenho o maior carinho pelos mestres senti quando à epoca li a respeito.
    Quantas vezes perdemos alguém por faltar bom senso ou aquela intuição do que se passa no íntimo de alguém .Faltou isso , talvez, pra salvar a vida do professor Luis.
    Bom estarmos alertas, não é Teresa?
    Desejo uma Pascoa abençoada junto da familia.
    Que as celebraçoes sejam motivos pra renovaççao da mente e das esperanças num mundo mais harmonioso.
    meus abraços

    ResponderEliminar
  18. PARABÉNS AMIGA, PELO TEXTO.
    AS VEZES AS REALIDADES SÃO TRISTES DEMAIS. NOSSOS ABISMOS,NOSOS MEDOS, NOS LEVAM A COMETER COISAS ASSIM..NOS LEVAM PARA UM GRANDE ABISMO..
    TAMBÉM ESTOU PARTICIPANDO COMO BLOG INTERAÇÃO DE AMIGOS.
    VOU TE ESPERAR PARA COMPARTILÇHAR.
    http : / / sandrarandrade7.blo gspot.com / 2010 / 04 / coletiva - abismo - nossos - medos.html

    FELIZ PÁSCOA.
    CARINHOSAMENTE,
    SANDRA

    ResponderEliminar
  19. Acabei duplicando a lista de seguidores.
    Nossa!!!
    Achei que não estava. E lá estava eu...rsrsrsrsr

    ResponderEliminar
  20. Que homenagem linda, Teresa. Arrepiou! Muito!
    Mas é preciso homenagear estes 'heróis' em vida, ouvindo-os e dando-lhes a mão. Que o seu acto de desespero não tenha sido em vão. Que o seu abismo para chame mais ninguém a mergulhar nele.

    Páscoa Feliz!
    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  21. Essa doeu cá bem no fundo, Teresa.
    Não consigo dizer mais nada.
    Bj

    ResponderEliminar
  22. Maré Alta
    É verdade, quantos Luises andarão por aí, pelas Salas de Professores, e nós tão ocupados que não conseguimos perceber os problemos, ouvir os pedidos de ajuda, fazer qualquer coisa?
    É uma boa reflexão.
    Bjs e boa Páscoa.

    ResponderEliminar
  23. Lilá(s)
    Acho que temos de ser sinceros e humildes e admitir que, muitas vezes, os alunos nos fazem passar as passas do Algarve e que entendemos o Luis. Temos de ser capazes de ser solidários.
    Bjs e boa Páscoa.

    ResponderEliminar
  24. Lis
    Tem razão, é importante estarmos alerta. Quem sabe não podemos salver uma vida?
    Bjs e boa Páscoa.

    ResponderEliminar
  25. Sandra
    As nossas realidades, às vezes, são os próprios abismos, é verdade.
    Bjs e boa Páscoa.

    ResponderEliminar
  26. Helga
    Já pensamos isso no caso do Leandro, lembras-te? Que sirva para alguma coisa!
    Bjs e boa Páscoa.

    ResponderEliminar
  27. Ana
    Não precisas de dizer nada. Eu sei que tu também sentes pelo Luis.
    Bjs e boa Páscoa.

    ResponderEliminar
  28. Oi Teresa
    Passando pra deixar meu abraço do domingo de Pascoa.
    Pra voce vai chegando a noite e aqui iniciamos a tarde de um domingo nublado e bom, há calor mas bem mais ameno, sem o sol.
    Ah, lá no post do Júnior houve uma troca de nomes, só isso,já ficou tudo certinho agora,ok?
    Também nao sei o que pode estar acontecendo com seus recados , vez ou outra quando clico em comentários abre avisando que tem 1 , aí eu clico pra ler e desaparece ( não é com frequencia isso,mas já aconteceu) nao dá nem pra ver de quem , fico estressada, mas que fazer se esse sr.blogger endoida de vem em quando. Desculpe e se continuar acontecendo vou precisar eliminar a moderação.
    Boa semama ,abraços

    ResponderEliminar
  29. Teresa,

    Eu tinha lido uma pequena nota num site jornalístico aqui no Brasil. Mas não entendia o real motivo do suicídio do nosso colega.

    Lamentável. Dizer que dificuldades existem em todas as profissões é uma forma de camuflar o problema. Pois é, esse professor foi vítima desse desdém. Ele alertou de todas as formas possíveis a perseguição que sofria. Mas, certamente, a direção da escola via tal perseguição como algo normal.

    Solidarizo-me com a família do professor e com os colegas portugueses, em especial você Teresa, que fez essa homenagem tão bonita.

    Beijos e uma ótima semana pra você.

    ResponderEliminar
  30. Lis
    Não elimines a moderação, às vezes são problemas temporários, já me aconteceu comentários irem parar ao lixo porque o computador os considera spam, vá-se lá saber porquê!
    Já fui ver, já percebi o que aconteceu no blogue do Junior.
    Bjs

    ResponderEliminar
  31. Valdeir
    É mesmo lamentável. Creio que ele pediu ajuda, como foi capaz. Há pessoas, aqui, que dizem que ele era psicologicamente frágil; mais uma razão para o apoiarem.
    Obrigada pela solidariedade. Bjs

    ResponderEliminar
  32. Uma linda homenagem... deixaste-me sem palavras...

    É lamentável ao ponto a que este país chegou... :(

    Beijinhos

    Rita

    ResponderEliminar
  33. Rita
    Obrigada, estas situações devem, pelo menos, servir para reflectirmos sobre o percurso que seguimos.
    Beijinhos e bem vinda a este espaço de conversas.

    ResponderEliminar
  34. É tão triste que estas situações continuem a acontecer... fico sem palavras, sinceramente. O que podemos fazer? Quando uma pessoas comete a derradeira fuga... o que fazemos com aqueles que a levaram a isso? É desesperante...

    ResponderEliminar
  35. Susana
    Tens razão, temos de reflectir. O que podemos fazer para ajudar quem está nesta situação?
    Bjs

    ResponderEliminar
  36. Eu não consigo sequer imaginar o desespero de uma pessoa que toma essa decisão. É demasiado triste...

    ResponderEliminar
  37. É frustrante pensar onde o desepero pode levar uma pessoa. O desepero, a solidão e principalmente o egoismo que todos veneramos e que nos impede de ver com olhos de ver, os outros ali ao nosso lado.
    Um beijo Teresa

    ResponderEliminar
  38. Su
    Tens razão, claro, não é possível sentir esse desespero. Eu apenas tentei traduzi-lo.
    Bjs

    ResponderEliminar
  39. Mel
    Quando estas coisas acontecem, de certa maneira, somos todos responsáveis, não é?
    Bjs

    ResponderEliminar
  40. Não se pode acrescentar nada, nem o senhor saberá que alguém lhe fez esta homenagem. Fica a mensagem que servirá para outros que como ele ponderem a possibilidade. Haverá sempre solução.

    ResponderEliminar
  41. Johnny
    Há sempre solução, quando estamos disponíveis para a procurar, não é?
    As homenagens póstumas são sempre inúteis. Só nos fazem sentir um pouco melhor.
    Bjs

    ResponderEliminar
  42. Teresa
    estou a ler os posts todos dos muitos blogs que tenho no Google Reader e não tenho feito comentários, pois então nunca mais acabava; mas abro de quando em vez uma excepção e este é um desses casos.
    Tão bonita e tão triste esta tua homenagem!!!
    Beijinho.

    ResponderEliminar