quinta-feira, 13 de maio de 2010

Até quando?

Ontem, fui confrontada com mais uma notícia de agressões dentro da escola. Passo a citar a fonte jornalística:


José Carlos, de 11 anos, da Escola EB de Lousada, deu ontem entrada no Hospital de Penafiel com vários hematomas no corpo, na sequência de uma agressão ocorrida dentro da escola. O menino terá sido agredido por um grupo de vários alunos mais velhos.
O menor garante que há mais de um mês que é vítima de agressões, sempre perpetradas pelos mesmos jovens. A mãe, Isabel Fernandes, já tinha apresentado queixa na escola, mas o estabelecimento de ensino nada terá feito para travar a violência. 'Disseram-me que não podiam fazer grande coisa. Não conseguiam controlar os passos de todos dos alunos'. Fonte:CM de 12/5/2010

Até quando vamos ter de saber de casos destes? Já tenho ouvido dizer: "Ora, sempre houve lutas na escola. Já no meu tempo era assim!" Não, não tem de ser assim. Os alunos mais novos, mais fracos, mais vulneráveis, não podem ser agredidos ou humilhados sem que a escola actue. A Escola não pode ser um espelho passivo da sociedade, tem de ser um factor de mudança, de aprendizagem. Na Escola, devem ser incutidos valores de sã convivência e de cidadania, não de luta livre e de "salve-se quem puder". A Escola não deve reproduzir e ensinar a Lei da Selva.
Este é um caso, como muitos outros. Será mais um caso para arquivar?
Até quando vamos ter de saber de casos destes?

25 comentários:

  1. Teresa
    Mais uma vez concordo contigo e, na minha escola, sou uma das pessoas que mais se queixa da selvajaria em que a Escola se está a transformar. Não encontro outra expressão, embora, claro, saiba que existem escolas onde as coisas funcionam perfeitamente. Mas há outras, que apenas são escolas porque funcionam num edifício que tem essa designação. Quanto ao resto...
    Até quando vamos fechar os olhos a todas as barbaridades que estão a acontecer todos os dias?
    Bjs
    Romicas

    ResponderEliminar
  2. Precisamos estar alertas e de olhos e ouvidos antenados!Infelizmente é cada vez maior o número de casos!Até quando???Espero que acabe!beijos.chica

    ResponderEliminar
  3. Teresa,

    Esse parece ser mais um caso do que os especialistas classificaram recentemente como 'bullying'... justamente o termo que classifica esse desrespeito e crueldade que acontecem a revelia dos pais das instiuições de ensino... eu me considero uma vítima disso e acredito que a mentalidade das pessoas precisa mudar muito, principalmente a dos responsáveis pela educação no mundo!

    Um abraço.
    Jr.

    ResponderEliminar
  4. Acabei de ver a notícia no Telejornal e não sei o que diga; as versões são contraditórias, mas de uma coisa estou certo: nos meus tempos de docência, em que nem portões de segurança havia, estes casos eram raros ou não aconteciam mesmo.
    Logo, algo mudou para pior - o quê e por culpa de quem?

    ResponderEliminar
  5. Mesmo com a comunicação social atenta e com casos graves deste género e piores, parece que esta violência se está a agravar.
    Os alunos reproduzem na escola o mundo exterior onde vivem...

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. TERESA

    Pergunta a ROMICAS: > Até quando...?<

    Quando os membros dos Conselhos Directivos sairem da Sala e virem com os seus próprios olhos e até ao momento que do Ministério da Educação ou das DRE receberem instruções claras sobre o que é DISCIPLINA.

    No meu tempo de aluno do Liceu, a maior parte dos alunos sabia o que era EDUCAÇÃO. Para os mais irreverentes, a simples presença de um contínuo era suficiente para os acalmar.
    Durante todo o tempo no liceu, apenas três alunos foram levados à presença do Reitor, depois de terem passado pelo gabinete do Director do Ciclo.
    Resultado: TRÊS EXPULSÕES COM A RESPECTIVA PERDA DO ANO LECTIVO NO ENSINO OFICIAL.
    Não estou a falar de DITADURA.
    Estou a falar de DISCIPLINA.
    Quando um deputado ROUBA 2 gravadores em plena A.R. e o chefe do respectivo grupo parlamentar se escusa a comentar (e não só), que podemos esperar de quem está no Governo?
    Nem sequer podemos pedir responsabilidades a quem votou nesse grupo...

    ResponderEliminar
  7. Romicas
    É claro que há escolas em que as coisas funcionam melhor e outras onde funcionam pior. Depende de muitas coisas, entre as quais o meio social circundante, mas também a capacidade de liderança quem está à frente da escola.
    Não, eu acho que nós não podemos fechar os olhos.
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Chica
    Infelizmente, sei que no Brasil as coisas também não estão nada fáceis.
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Junior
    Sim, é o bullying no seu melhor! Há que mudar as mentalidades, claro, mas entretanto há que actuar com dureza e rapidez. Não sabia que tinhas sofrido com este problema, lamento mesmo.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  10. Pinguim
    É uma boa pergunta. Percebemos que as coisas estão piores. Quando conseguirmos identificar, com honestidade, o que piorou e porquê, estamos a meio-caminho de resolver o problema.
    (Não sabia que tinhas sido professor :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  11. Rosa dos Ventos
    Não sei se a violência se está a agravar, talvez apenas se saibam mais casos, que eram camuflados. Nos últimos dez, doze anos, as coisas pioraram muito, nas escolas.
    Os alunos não podem reproduzir livremente na escola o mundo no qual vivem. Tem de haver mecanismos de contenção.
    Bjs

    ResponderEliminar
  12. João
    Tem tanta razão!
    Tem-se confundido disciplina com ditadura e chegou-se a um ponto de quase anarquia.
    E, evidentemente, quando os maus exemplos vêm de cima...
    Bjs

    ResponderEliminar
  13. Enquanto os grupos que fustigam sentirem que há uma certa impunidade continuarão.

    É lamentável, mas parece-me ser essa a principal razão.

    A maioria dos relatos refere sempre um grupo a bater num individuo.
    Percebe-se porquê: uma certa cobardia escamoteada pela força do grupo.
    Lamentável

    Bjs

    ResponderEliminar
  14. Olá, Teresa

    Há assuntos que, para bem do meu sistema nervoso, devia não comentar, mas não consigo ficar sossegada.
    Não vou responder às tuas perguntas. São óbvias demais.
    Vou ´querer saber quais as medidas que os Pais e Encarregados de Educação vão tomar, agora, que a situação chegou ao ponto que chegou.
    Vou querer saber que Políticas Educativas andam Os Conselhos Gerais a aprovar e "fiscalizar" no que à disciplina diz respieito. E não falo só desta escola... estendo o repto a todas a escolas do País, aproveitando o teu blog, pois sei qe lido por alguns representantes deste órgão na nossa escola... Olha, e mais não me alargo, senão o coração sai pela cicatriz do borboleta.

    ResponderEliminar
  15. JPD
    Os cobardes escudam-se no grupo. É uma das características do bullying.
    Bjs

    ResponderEliminar
  16. Ana
    Não sei quem lê o meu blogue, a não ser os que simpaticamente aqui deixam umas palavras.
    Por isso, não sei até onde chegam estes nossos desabafos. Mas não há dúvida de que é preciso tomar medidas. E depressa.
    Bjs

    ResponderEliminar
  17. A escola é hoje cada vez mais, um reflexo da nossa sociedade, em todas as suas vertentes. Culpa-se muitos vezes os conselhos directivos e os restantes professores que compõem os corpos docentes, não têm uma resposta a dar?
    Escuso-me a fazer comentários sobre a situação específica narrada.

    ResponderEliminar
  18. Teresa
    Um assunto recorrente, infelismente.E mais uma vez acho que a Escola tem que agir , seja junto aos pais e/ou, disciplinando os alunos .Dizer que nao pode controlar os passos deles é desculpa pra esconder a omissão, busque esses alunos onde for e quando dentro da escola aplica-lhes o corretivo, seja dando-lhes tarefas extras-aula como por ex. ler um livro ou fazer redaçoes sobre comportamento, sei lá invente,use todas as alternativas pra salvá-lo, caso cantrario bote na rua mesmo rsrs,mas sejam criativos , pra isso é uma Escola , nao? e o trabalho incessante com os pais tem que ser permanente.
    O que nao podemos é deixar que os alunos que querem estudar sejam prejudicados e o caso arquivado.
    abraços Teresa , boa sexta feira, bom trabalho amiga.Que Deus te oriente junto aos alunos e a sua escola.
    bjs

    ResponderEliminar
  19. Samnio
    É claro que a Escola é um reflexo da sociedade, mas não pode ser um reflexo passivo, tem de ser um instrumento de mudança e contenção. Nunca me ouvirás dizer que a culpa é apenas dos Conselhos Directivos, muito pelo contrário, já por lá passei e sei como é difícil fazer a gestão de um sistema que, esse sim, é preverso, injusto e reproduz modelos de desigualdade, porque se baseia em ideias românticas e desastrosas.
    Enfim, é a minha opinião. E infelizmente os factos vão-me dando razão.
    Gostei de te encontrar aqui :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  20. Lis
    Sim, infelizmente é um assunto recorrente e isso é que é triste. Toda a sociedade tem de ser mobilizada na mudança da escola pública.
    Bjs

    ResponderEliminar
  21. Eu nem sei o que dizer... infelizmente, cada vez se ouvem mais casos destes...

    Olha, tens um selinho à tua espera no meu blog =)

    ResponderEliminar
  22. Rita
    Obrigada pela lembrança, já lá vou :)

    ResponderEliminar
  23. Teresa,

    O meu comentário vai, certamente, contra a corrente. Por isso, começo logo por me justificar: sei que o bullying existe, com os efeitos gravosos que muito bem conhecemos. The Elephant Man ou Bowling for Columbine são apenas dois exemplos de filmes que abordam o problema e que nos "esmurram" a consciência.
    Porém, também conheço a comunicação social que temos e aprendi a desconfiar dela. Por princípio, a Escola, enquanto instituição, é "animal a abater" e o trabalho de investigação que é feito parte quase sempre do pressuposto da sua culpabilidade. Foi o que aconteceu com a escola de Mirandela, foi o que aconteceu com a minha escola, tristemente célebre pelo afogamento de dois alunos.
    A tragédia e o sensacionalismo vendem muito mais do que a verdade rigorosa dos factos, como bem sabemos!
    Reconheço que pode haver alguma incúria, mas também sei que a generalidade das direcções já dá a devida atenção às questões de violência dentro dos recintos escolares.
    Assim, prefiro ficar de olhos e ouvidos bem abertos, à espera de que a poeira passe, quando os inquéritos chegam ao fim. Só depois me permito fazer comentários...
    Isto não significa que não discutamos o assunto em sala de aula (as oportunidades são muitas, desde que as saibamos aproveitar!) ou que descuremos as nossas responsabilidades enquanto formadores. Bem pelo contrário! Só que o bom senso e alguma cautela também se impõem.

    ResponderEliminar
  24. We
    O teu comentário não vai contra a corrente, porque aqui não há correntes, cada um diz o que lhe apetece.
    Mas deixa-me dizer-te que nunca me ouvirás culpar a escola, ou atirar-lhe pedras. Também lá estou e sei bem como é difícil o nosso papel. Só que nós não podemos limitar-nos a dizer que "a escola é um reflexo da sociedade" ou que bastam umas conversas nas aulas de formação cívica. É preciso que o Ministério da Educação e o sistema educativo volte a encarar o problema da disciplina de frente. Se os alunos se portam mal, têm de ser castigados. Se os pais se portam pior do que os filhos, têm de ser processados judicialmente. A disciplina é fundamental para a aprendizagem. E, sejamos honestos, essa é a principal função da Escola, ser um espaço de aprendizagem. Às vezes, parece que nos esquecemos disso.
    Bjs

    ResponderEliminar
  25. João Menéres
    Às vezes parece que somos de outro século ou de outro planeta, por pensarmos assim.

    ResponderEliminar