quarta-feira, 19 de maio de 2010

Como comemorar o Centenário da República?

Há pessoas com ideias verdadeiramente fabulosas.
Neste ano em que se festeja o centenário da Implantação da República em Portugal, duas deputadas independentes do PS, Maria do Rosário Carneiro e Teresa Venda, encontraram uma maneira diferente de comemorar a data: acabando com o seu feriado.
Neste ano em que o Governo se prepara para gastar cerca de dez milhões de euros para comemorar o 5 de Outubro de 1910, estas deputadas propõem acabar com esse feriado, em nome da produtividade portuguesa.
O que dizer desta criatividade e deste sentido de oportunidade?´

(Postal comemorativo da Proclamação da República)

Além deste feriado, a proposta abrange outro feriado civil (o 1.º de Dezembro) e dois feriados religiosos (o Corpo de Deus e Todos-os-Santos). Não percebo qual o critério de escolha, sinceramente. Mas penso que esta questão ainda vai fazer correr muita tinta!

24 comentários:

  1. A tinta vai correr, pois vai!
    Duas deputadas independentes.
    Boa maneira de o PM se esconder !
    Que o compre quem o não conheça!
    Vão ser esses e os outros...
    Mas talvez INVENTEM o do DIA DOS GAYS !

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Olá, Teresa
    Pois...
    Há critérios para tudo. É só esperar que eles aparecem. Eu até me atrevo a adiantá-los. Ora bem:
    - O 5 de Outubro, afinal não vamos ferir as susceptibilidades dos monárquicos...e a provar
    - que se acabe tb com outro q relembra a Monarquia, o 1º de Dezembro.
    - Depois, barafustaram tanto com a tolerância de ponto a propósito da visita de SS, o Papa, uma vez q somos um País laico, q agora tomem lá! menos dois feriados religiosos q "não aquecem nem arrefecem" no calendário litúrgico".
    Pronto(s)!
    Juro que não me contrataram!!
    Vai uma aposta??
    Bj

    ResponderEliminar
  3. Teresa,

    Fabulosas, de... fábula!

    São seres que pensam com o 'raciocínio' capilar, mais ou menos penteado!

    Com a ideia de acabar com feriados, foi assim, penso eu de que, Cavaco Silva arranjou um molho de bróculos para Fernando Nogueira encaixotar no lixo da derrota eleitoral.

    A República estará para a Monarquia, como esta estava na época, com uma dívida estrondosa ao estrangeiro e, El-Rei a comprar mais Iates D.Amélia!

    Penso que depois de tanto se ouvir falar e pôr em curso os cortes nos bolsos de toda a gente, dever-se-iam suspender os gastos numa festa, que não tem nada de motivante para festejar!

    A menos que, faça parte da "paródia", o estouro disto tudo, já que toda a 'malta' gosta de atirar foguetes, e apanhar as canas!

    Desconfio mesmo... que vão ficar a apanhar... é bonés(...)

    Um abraço
    [isento de IRS]
    César Ramos

    ResponderEliminar
  4. Ana
    Pois, também me parece que o critério deve ter sido esse, mas é idiota na mesma. Acabar com o feriado do 1.º de Dezembro, então, acho incrível, é a data que festeja a nossa independência. Os outros, olha, assim como assim...
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. César
    A ideia de acabar com os feriados religiosos vem, como sabe, da 1.ª República. Os outros feriados vêm e vão conforme as modas. Acho tudo isto ridículo. O que criticaram o Cavaco Silva e, no entanto, ele só propunha acabar com as pontes e não com os feriados.
    Também não me parece que a República tenha muito para festejar :)
    Abraços (ainda bem que não pagam imposto!)

    ResponderEliminar
  6. A produtividade resolve-se assim!?
    As coisas sábias que as deputadas do meu país descobrem!

    Beijo para ti, Teresa

    ResponderEliminar
  7. Agora, falam (eles !) de um DIA DA FAMÍLIA, a considerar como feriado, em 26 de Dezembro.
    Então, o Dia da Família não é o 25 ( de Dezembro ! ) ?

    A família deve ser OUTRA !

    E depois, eu é que sou mau...

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  8. mas ó Teresa, em Portugal é preciso critério para algo que os governantes queiram fazer? eles fazem e desfazem a seu belo-prazer. kis:(

    ResponderEliminar
  9. MagyMay
    Pois também não me parece que seja este o remédio para a produtividade!
    Bjs

    ResponderEliminar
  10. João
    A sério?!?
    Essa ainda não ouvi, mas já acredito em tudo. Quando se começam a meter as mãos pelos pés, o resultado é sempre uma confusão.
    Bjs

    ResponderEliminar
  11. AVOGI
    Realmente, para quê procurar um critério lógico para alguma coisa? Deixa, deve ser uma esquisitice minha!
    Bjs

    ResponderEliminar
  12. Eu compreendo perfeitamente que queiram acabar com os feriados de 5 de Outubro e de 1 de Dezembro.
    Repara: comemorar a República para quê? Que lógica tem comemorar a implantação de um regime como esse?
    Na definição clássica República é o regime que assenta no bem comum, na Res Publica, segundo os latinos. Na concepção contemporânea, nascida na França pós-revolucionária, a Republica assenta na participação política, no progresso social, na laicidade, na fraternidade.
    Portanto, é caso para perguntar: para quê comemorar um regime que não temos?
    Por outro lado, para quê comemorar a Restauração se somos cidadãos da europa, se construimos um TGV para Espanha, pedimos emprestado à Alemanha e emprestamos dinheiro à Grécia? Comemorar a independência de quê???

    ResponderEliminar
  13. Manuel
    Não há como um professor de História para nos fazer entender os factos. Pronto, tens razão (infelizmente!), parece que o Miguel de Vasconcelos morreu em vão!
    Já agora, porque não acabar com o feriado do 25 de abril? Olhando para esta democracia que temos...
    Bjs

    ResponderEliminar
  14. Ora aí está uma boa questão. Tantos já terão pensado nisso...
    Mas agora a sério. Só faltava mesmo essa!!!
    Somos, ainda assim, um povo livre pelo menos de dizer mal! Podemos malhar no Sócrates, no Cavaco, nos que malham no Sócrates, nos que malham no Cavaco, nos que malham naqueles que malham no Sócrates, e por aí fora, porque muitos Miguel de Vasconcelos se sacrificaram!
    Não sou um tradicionalista; longe disso! Mas há que respeitar quem sofreu pela nossa liberdade!

    ResponderEliminar
  15. Oi Teresa
    Pior que acabar com Feriados é ter de ouvir as tais autoridades falar em produtividade. Será que sabem exatamente onde colocar isso ? rsrs
    Tanta coisa de mais importância a considerar e se apegam a babagens pequenas. Vai entender!!
    Gostei muito do texto dos farois Teresa. Acho-os importantes com seu facho de luz a acompanhar o que se passa no mar. Qualquer hora faço um passeio no farol aqui de Niteroi , fica num local estratégico e guarda a Baía de Guanabara, na entrada do porto do Rio de Janeiro. A paisagem é linda.
    Fica bem, , abraços

    ResponderEliminar
  16. Manuel
    O que eu acho é que temos de ter alguma sensatez. Em França ninguém se lembra de acabar com o 14 de Julho, ou nos EUA acabar com o 4 de Julho. O 1.º de Dezembro comemora a nossa independência. Há que preservar o que é significativo.
    Quanto ao feriado do 5 de outubro, o que eu acho extraordinário é o sentido de oportunidade!
    Bjs

    ResponderEliminar
  17. Lis
    Agora anda todo o mundo preocupado com a produtividade. Espera pela campanha eleitoral!

    Os faróis são sítios mesmo especiais, não é? Fico à espera das tuas fotografias.
    (Pensei que vinhas cá visitar os faróis portugueses!)

    Bjs

    ResponderEliminar
  18. Alguém disse, não me lembro quem, que os deputados independentes são sempre imprevisíveis.
    Esta proposta resulta de uma sede de protagonismo, ou é pura demagogia? É que, na minha opinião, nada de consistente parece ter.
    Bem sei que há quem afirme que com menos feriados aumentaríamos a nossa produtividade. Não creio. O problema da nossa fraca produtividade não está nos feriados que temos mas no que não fazemos, não queremos fazer, ou não somos capazes, nos dias de trabalho.
    Sabendo, embora, que as generalizações são más conselheiras, acho que somos "cinzentos" no trabalho como, igualmente, nos feriados. Trabalhamos por obrigação, despidos de motivação, alheios ao que de bom para todos pode resultar do trabalho...
    Quanto aos feriados, que tristeza me dá ver como são passados. O Dia da Independência e o 25 de Abril, por exemplo. Pomos-lhes uma gravata, enfeitamo-los com uma sessão solene no Parlamento e pronto, recolhemo-nos à solidão!
    Como gostaria de ver os nossos dias nacionais festejados como o 4 de Julho nos Estados Unidos, para não falar de outros países. Ali,em cada um dos 50 estados, o dia é de festa e de alegria nas ruas, nas comunidades, em toda a parte! Vi-o de perto, numa das vezes em que lá estive. Por cá vivemos, macambúzios, os nossos feriados!
    O que gostaria é de ter ouvido as senhoras deputadas proporem-nos a reinvenção da alegria de viver, o reencontro com um povo capaz de grandes feitos. Utopia? Poesia? Talvez. Julgo que faz falta uma pedrada no charco da política.
    BJS

    ResponderEliminar
  19. Carlos
    O que dizer mais? Faço minhas todas as suas palavras. Para quê acabar com os feriados, se não aproveitamos produtivamente os tempos de trabalho?
    Gostei muito da ideia de reinventarmos a alegria de viver. Somos tão irremediavelmente conzentos!
    Utopia? Poesia? Pois serão. E o que seríamos nós sem elas?
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  20. Apetece-me dizer um disparate...fico-me pelo "apetecimento"!
    Abracinho

    ResponderEliminar
  21. Olá querida amiga, vim desejar-te um fim semana de muita alegria e descanso, convido-a a conhecer meu novo espaço: HANUKKÁ, deixo abraços e beijo no seu coração.


    AMOR FEITO LUZ

    MEU AMOR... HÁ MEU AMOR!
    TRANSCENDE O OBSCURO
    E REALIZA-SE EM LUZ!!!
    LUZ... LUZ TEM MEU AMAR.
    SALTITOS DE LUZ DA VALVESTA

    ResponderEliminar
  22. Coitadinhas, são tão poucachinho as senhoras deputadas. Mas tinham de mostrar serviço e não encontraram nada emlhor.

    ResponderEliminar