sábado, 1 de maio de 2010

Paixões

Pouco passava das quatro da tarde quando Gonçalo chegou ao Parque das Nações. Arrumou o carro e encaminhou-se vagarosamente para a beira-rio. O dia estava lindo. Um daqueles dias transparentes de início da Primavera, em que apetece rir mesmo sem saber porquê. Ainda era cedo, a Marina só saía do trabalho às quatro horas, ainda demorava, pelo menos, uma meia hora até ali chegar. Tinha tempo para fumar um cigarro, descansadamente, enquanto olhava o rio e as pessoas que por ali passeavam. Lembrou-se do dia em que se conheceram, ele e Marina. Ou melhor, da noite, porque foi numa noitada de copos e conversas soltas. Ela vinha com uma amiga de outra amiga… bem, o que era importante é que tinha um sorriso doce que contrastava com uns olhos que faziam todas as promessas, e aquele contraste tinha-o cativado. Não havia dúvidas, tinha havido ali uma faísca qualquer. No dia seguinte, admirou-se de acordar a pensar nela. E, ao fim do dia, continuava a apetecer-lhe ver aquele sorriso. Telefonou-lhe e foram sair. No outro dia, também. E todos os outros dias, até hoje. Puxou o fumo do cigarro, sorrindo. Parece que, desta vez, a paixão lhe chegara com força.
Passou em frente do Casino de Lisboa. Havia pessoas que se apressavam para entrar e Gonçalo pensou que tinha tempo para um joguinho, antes de Marina chegar. Só para distrair, para passar o tempo. Entrou. Não ia gastar mais de cinco euros, era só para matar o tempo.
Enfiou uma moeda na slot-machine. Puxou a alavanca, mas não teve sorte. Meteu outra moeda. Nada. Terceira moeda. Agora havia barulho de moedas a cair. Eram cinquenta euros, nada mau. Estava com sorte! Voltou a enfiar uma moeda na máquina, depois outra e outra. Na máquina ao lado, ouviram-se gritos de Jackpot e as moedas saltaram como pipocas do orifício. Gonçalo forçou a memória: não era aquele homem que estava a recolher umas poucas moedas, quando ele vinha a chegar? Talvez o Jackpot viesse depois de uma saída pequena de dinheiro, para enganar os tolos. Mas ele não era tolo, ia continuar a jogar, devia estar quase a sair. Na máquina em frente, uma rapariga de franja e cabelo comprido sorriu-lhe e Gonçalo pensou no sorriso de Marina. Se calhar, ela já tinha chegado. Ele ia logo ter com ela, era só mais um bocadinho, de certeza que estava quase a sair o “bolo grande”, ele não ia agora perdê-lo. Continuou a meter moedas e a puxar a alavanca, cada vez mais concentrado, cada vez mais alheado do mundo.
“Tenho a certeza que, da próxima vez, tenho sorte!”
Cada vez mais entregue a outra paixão.


(Este texto integra-se no desafio proposto para este mês pela
 Fábrica de Letras, com o tema: Paixão)

47 comentários:

  1. É por isso que eu não vou a casinos!

    ResponderEliminar
  2. Como uma alavanca destrói um SONHO...

    Beijos e parabéns.

    ResponderEliminar
  3. E de pouquinho em pouquinho....Linda tua participação, como sempre muito bem elaborada!beijos,chica

    ResponderEliminar
  4. Bela participação, Teresa. Estás sempre a surpreender-nos. Só falta um romance teu.

    O jogo é um VÍCIO e destrói famílias e fortunas. Como é possível?

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Olá.
    As paixões podem ser muito variadas. Vejam só uma alavanca de uma slot - machine.
    Existem gostos para tudo.
    Bj

    ResponderEliminar
  6. Johnny
    Fazes bem, olha o que pode acontecer!
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. João
    Os sonhos são coisas frágeis, é fácil destrui-los. Temos de ser cuidadosos :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Chica
    E de pouquinho em pouquinho, perdeu a noção do tempo e perdeu a namorada.
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Alma pequena que troca o brilho de um olhar pelo tilintar das moedas... típica paixão fugaz rs
    abraços , parabéns .

    ResponderEliminar
  10. As paixões são fugazes já se viu!
    Parece que ele vai perder mais do que o dinheiro do jogo...
    Beijo

    ResponderEliminar
  11. Paixões que se sobrepõem a outras, neste caso, paixões doentias, como o jogo.

    bjs

    ResponderEliminar
  12. Essa é uma daquelas paixões que levam os dedos e os anéis.

    ResponderEliminar
  13. Natália
    O jogo é também uma paixão. Obrigada :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  14. Maré Alta
    Realmente, que gosto, uma alavanca de slot-machine! Mas o gosto pela adrenalina que o jogo gera é uma autêntica paixão.
    Bjs

    ResponderEliminar
  15. Lis
    Não há brilho de moedas que ultrapasse o brilho de um olhar. E, no entanto, quantas pessoas trocam um pelo outro, não é?
    Bjs

    ResponderEliminar
  16. MZ
    Todas as paixões obcessivas são doentias.
    Bjs

    ResponderEliminar
  17. El Matador
    Pois, estas paixões deixam-nos nuzinhos :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  18. Meldevespas
    Provavelmente, vai perder uma hipótese de ser feliz, que é uma das coisas mais preciosas que existe.
    Bjs

    ResponderEliminar
  19. Olá, Teresa
    Estava eu embalada à espera do desenrolar da paixão entre Gonçalo e Marina e pões tu uma slot-machine no meio!!:)).
    Agora a sério, essas (as slot machines e suas afins) são paixões perigosas.Como diriam no meu SPA, constituem uma POC (não é Plano Oficial de Contabilidade, se bem que a contabilidade se veja em papos de aranha)...
    Bj

    ResponderEliminar
  20. Fiquei aqui a pensar, que se ele fosse esperto, tinha ido busca-la e ela depois ia com ele. :p

    he he

    ResponderEliminar
  21. E assim se destroem vidas...
    E quantos fazem o mesmo... seja no jogo ou noutra coisa qualquer. =\

    beijinhos*

    ResponderEliminar
  22. Há estranhas paixões: esta está muito bem descrita...

    ResponderEliminar
  23. A verdade é que estamos sempre a fazer opções..., Assustam-me imenso os vícios!
    XX

    ResponderEliminar
  24. A paixão pelo jogo que arruina famílias, na minha conduziu ao suicídio do meu avô materno...
    Gostei imenso deste "crescendo"...
    Abracinho

    ResponderEliminar
  25. Ana
    Digamos que estavas embalada, mas eu desembalei-te! Afinal, o que significa POC?
    Bjs

    ResponderEliminar
  26. Ginger
    Tens razão, claro, assim pelo menos estragavam só uma casa :)
    Agora a sério, o problema destas paixões é que as pessoas não são capazes de parar.
    Bjs

    ResponderEliminar
  27. Pinguim
    Todos os estados de paixões são um pouco estranhos; alguns são mais estranhos do que outros, e com consequências mais negativas.
    Bjs

    ResponderEliminar
  28. Papoila
    A vida é feita de opções. Nem sempre fazemos as melhores...
    Bjs

    ResponderEliminar
  29. Maria Teresa
    Lamento o sucedido ao seu avô. Infelizmente, os vícios levam a situações de desespero, porque as pessoas não conseguem realmente fugir deles.
    Bjs

    ResponderEliminar
  30. É uma pena quando a paixão envereda-se por outros caminhos, não é mesmo? Abração, amiga!

    ResponderEliminar
  31. o vida está cheia de paixões trocadas , principlamente quando não são verdadeiras o suficiente para suprimirem vicios, tentações e afins ....

    ResponderEliminar
  32. Sueli
    A paixão pode ser uma força positiva ou negativa, depende do rumo que toma.
    Bjs

    ResponderEliminar
  33. Nuno
    É verdade, a vida está cheia de paixões trocadas, mesmo quando são verdadeiras!
    Bjs

    ResponderEliminar
  34. É apenas uma história mas que tem algo de tão real...
    Bjs

    ResponderEliminar
  35. Lilá(s)
    Infelizmente, há muitos casos reais que se assemelham a esta história.
    Bjs

    ResponderEliminar
  36. Cada uma escolhe os sapatos com que se calça, não é? A paixão suprimida pelo vício...

    Estou mesmo mesmo ao lado do Johnny: por isso é que não vou ao casino!!

    Belo texto!!

    Beijinhos**

    ResponderEliminar
  37. Sou apaixonado pelos finais imprevisíveis, sobretudo pela fuga do lugar-comum.

    Belo texto!
    Ricardo.

    ResponderEliminar
  38. Lala
    Aposto que a Marina não percebeu que sapatos tinha calçado, até ser tarde demais.
    Bjs

    ResponderEliminar
  39. Ricardo
    Também gosto dos finais imprevisíveis, nos textos. Na vida, às vezes, não são muito agradáveis.
    Bjs

    ResponderEliminar
  40. infelizmente, há paixões e paixões. infelizmente, há quem se entregue pela paixão errada. conheci alguém assim. não foi uma história de amor, pelo contrário. a paixão pelo vício, aniquilou a paixão [e o amor] da sua companheira e das suas filhas...

    [gostei, apesar de triste]

    um beijinho...

    ResponderEliminar
  41. Caminhante
    Infelizmente, esta é uma história com muita realidade lá dentro.
    Bjs

    ResponderEliminar
  42. Teresa, adorei o teu texto. Muito mesmo. A paixão tem muitas formas. Esta tem a forma do vício, disfarçado do falso auto controlo do 'só mais uma vez'. A sorte por vezes é traiçoeira e conduz-nos directamente ao azar. Pena que muitas vezes nem o sorriso das Marinas desta vida, seja doce o suficiente para contrariar esse impulso que quando damos conta, nos controla.

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  43. Helga
    É verdade, a paixão tem muitas formas. Eu quis precisamente passar essa ideia de que a paixão não é apenas um estado amoroso de alta intensidade. Todos nós temos várias paixões, que nos impulsionam na vida. Umas são mais positivas, outras mais negativas.
    Bejs

    ResponderEliminar
  44. E passaste a ideia na perfeição.

    beijinhos :)

    ResponderEliminar
  45. O JOGO É UM VÍCIO QUE NÃO MATA MAS ROUBA O BOLSO...OLHA SÓ A DISTRACÇÃO...E LÁ SE FOI O ENCONTRO COM A MARINA...O JOGO PODE SER UMA PAIXÃO SE NÃO FOR DOENTIO...TUDO O QUE ULTRAPASSA OS LIMITES DO RAZOÁVEL TORNA-SE DEPENDÊNCIA ...DEPOIS É CONSUMIDO DE FORMA COMPULSIVA...INFELIZMENTE.

    BJS

    ResponderEliminar
  46. Pedras Nuas
    É isso, tudo o que ultrapassa o razoável torna-se uma compulsão e uma dependência. Até o amor.
    Bjs

    ResponderEliminar