segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Um dia...



- Anda daí, Pinóquio!
O cão levantou-se e encaminhou-se para a porta, como quem já sabe ao que vai. O homem olhou para o cão e riu-se; e o bicho levantou o focinho para o homem, a boca aberta num esgar que podia ser também um sorriso. Já estava velhote, o Pinóquio! O nome tinha-lhe sido dado pelo neto do homem, quando andava a aprender a juntar letras e palavras, e lia e relia, entusiasmado, as aventuras do boneco de madeira. Na época, o cão era um cachorrinho castanho-claro, muito vivo e engraçado, e o nome parecia assentar-lhe bem. Agora, o neto do homem era rapaz feito e vivia outras aventuras com as namoradas que levava lá a casa. E o Pinóquio começava a mostrar os problemas da idade, como as pessoas!
O homem abriu a porta, agarrou num casaco de malha, não fosse a tarde refrescar, e saiu ligeiro, acompanhado pelo cão. Tinha decidido que hoje à tarde ia visitar o Júlio. Não era longe, vinte minutos a andar com calma, sem correrias, e quando lá chegasse iam os dois beber uma cervejinha fresca e descansar as pernas. Iam falar dos bons tempos que tinham passado juntos, iam rir a bom rir ao recordar algumas aventuras do tempo da escola e depois iam abanar a cabeça tristemente, a lembrar um ou outro companheiro desse tempo que, entretanto, já tinha partido deste mundo. Acabavam sempre assim. Já lá não ia há algum tempo, mas sabia que acabavam sempre assim, hoje não havia razão para ser diferente.
O homem e o cão caminhavam com passos seguros, cadenciados, pareciam dois jovens outra vez. A tarde estava boa, um solzinho a aquecer o coração, uma brisa do rio a temperar o sol.
Quando chegou ao jardim, as pernas começavam a pesar-lhe. Resolveu sentar-se no banco, o Pinóquio sentou-se ao lado, sempre descansava também. Tinham tempo, a casa do Júlio era perto e a tarde estava boa, convidava ao passeio.
Olhou para o rio e para as gaivotas, poisadas com ar vigilante nos candeeiros. Quando era rapaz, costumava mergulhar no rio, ali, junto ao cais, para apanhar o camarão pequeno que depois vendia para isco. Às vezes, mergulhava só por brincadeira, com os outros rapazes, em jogos ruidosos que assustavam as gaivotas e as faziam voar em círculos.
Depois, começou a andar nos barcos, a fazer transportes de sal e carvão. Na altura, as pernas não lhe falhavam. Ah! Mas ele ainda um dia ia pegar num barco e mostrar a todos do que era capaz. Um destes dias, combinava com o Júlio, e haviam de ir pelo mar fora, logo de manhã, com o sobrinho dele, que tem uma fragata. Ainda lhe havia de ensinar umas coisas! Sentia a alma livre e leve como as gaivotas. As pernas é que não ajudavam.
O médico já lhe tinha dito: “Temos de pensar na operação aos joelhos!” Ele ia dizendo que sim, que pensava, mas sabia que nem queria pensar nisso. Então ele não se lembrava da tia Ernestina, que morava na rua de trás? Andava mal, também tinha as pernas doentes, foi operada e agora andava de cadeira de rodas. Ah, não! Isso não! Ele, numa cadeirinha de empurrar, como as crianças? Não, enquanto pudesse, ia andando, e nem queria pensar na operação.
Quem havia de ficar satisfeita de o ver numa cadeirinha era a Maria Otília, o homem apostava. Quando casaram era uma bela moça, lá isso era! Mas os anos passaram e ele só via vislumbres dessa moça aos domingos, quando a filha lá ia almoçar a casa. Tem os cabelos ondulados e fortes da mãe, os mesmos olhos esverdeados, os mesmos trejeitos de boca. Quando lá vão almoçar, é uma festa! Os netos ainda gostam de o picar: “Então, avô, quando é que vamos ao camarão?” E ele finge que acredita e combina sábados de verão. Mas, no fundo, sabe que esses sábados nunca mais virão.
Ah! Mas a Maria Otília gosta de o amesquinhar, gosta mesmo! Põe-se a remoer, para a filha: “O teu pai, coitadinho, já nem consegue ir ao fundo da vila, quanto mais ao camarão!” Ela não percebe que ele sabe que nunca mais irá, mas gosta de acreditar que sim. Ah! A Maria Otília havia de gostar de o ver na cadeirinha. E ela a apaparicá-lo, a fazer-lhe mezinhas, a tratá-lo como um bebé! Um dia, ele ainda havia de lhe mostrar do que era capaz. Ainda era um homem!
Levantou-se um vento fresco, do lado do rio. Pôs o casaco às costas e o Pinóquio olhou-o com ar interrogativo, como quem pergunta: “Já acabou o passeio por hoje?”
Tinha passado ali um bom bocado, a divagar, enquanto olhava o mar e as gaivotas. Se calhar, deixava a visita ao Júlio para outro dia. Dali a pouco, a Maria Otília tinha o jantar pronto e ficava preocupada se ele não estava em casa às horas do costume. Talvez fosse melhor ir andando.
Levantou-se, ajeitando o casaco nos ombros. O cão espreguiçou-se e começou a caminhar na direcção de casa. “Vamos embora, Pinóquio! A Maria Otília já deve estar à nossa espera. Amanhã, vamos visitar o Júlio. De certeza!”



(Este texto corresponde ao desafio de Fevereiro da Fábrica de Letras, com o tema "Velhice")

30 comentários:

  1. Teresa, bom dia. Tudo bem?

    Vim te avisar que vc foi contemplada no blog Varal de Idéias com uma foto sua no perfil.
    Link aqui:

    http://cimitan.blogspot.com/2010/01/foto-do-perfil_31.html

    Um beijao

    ResponderEliminar
  2. Amanhã de certeza, diz isso para se convencer que haverá um amanhã. Quem poderá ter a certeza de um amanhã? Mais uma mentirinha idêntica à ida aos camarões. Todos nós descobrimos a maneira de embelezar a realidade, ele também o fazia.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Foi dos textos mais bonitos que já li...
    Deixou-me deveras triste pensar na melancolia desse homem...

    ResponderEliminar
  4. De onde se conclui que a Maria Otília, embora já não seja a bela moça de outrora, ainda tem alguma influência sobre o seu homem.

    ResponderEliminar
  5. Olá, Teresa. Parabéns pela história do Pinóquio e seu dono.
    Podes dar-me uma ajudinha na blogGincana? Já coloquei o "boneco" e agora? Tenho de fazer o q?
    Bj

    ResponderEliminar
  6. Gostei, é preciso acreditar que há ainda um amanhã.
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Johny,
    Amanhã, claro que sim. Quem sabe se ele acreditava mesmo que amanhã iria?
    Bjs e volta sempre.

    ResponderEliminar
  8. Brown Eyes
    Todos dizemos e pensamos mentirinhas, e fingimos acreditar nelas. Quanto mais na velhice, quando já pouco mais resta!
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Su
    Obrigada pelas tuas palavras. Há melancolia neste homem, sim, mas também há uma vida cheia, que ele se recusa a terminar.
    Bjs e volta sempre.

    ResponderEliminar
  10. Maria Mãe
    Ora bem, a Maria Otília é a pessoa de quem ele está mais dependente, por isso se debate. Como um adolescente que se revolta contra os pais, dos quais ainda depende também.
    É claro que ela é a mulher da vida deste homem, e ainda tem muita influência sobre ele, não é?
    Bjs e volta aqui, a este cantinho, quando quiseres.

    ResponderEliminar
  11. Lilá(s)
    Nós não sabemos se há um amanhã, e como ele será, temos é de continuar a acreditar que não chegou o fim.
    Bjs

    ResponderEliminar
  12. Apesar de tudo ainda há uma Maria Otília na vida deste homem...
    Outra coisa interessante neste texto e que pouca gente refere: os animais também envelhecem...eu falo tanto com o meu velho gato Boris!
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  13. Teresa, é de facto um texto muito tocante, muito bonito, muito vivido. Toda a nossa vida vamos adiando coisas, como será chegar a esse momento em que sabemos que estamos a adiar pra nunca mais? Adorei, mesmo.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Olá Pinguim
    Sim, ainda tem a Maria Otília, por quem ele tem sentimentos tão contraditórios! Ser velho não é obrigatoriamente estar sozinho.
    Ainda bem que reparaste no cão, estava a ver que ninguém falava dele. Pois, o cão também está velho, é um espelho do homem.
    Bjs

    ResponderEliminar
  15. Mel
    Obrigada pelas tuas palavras. Acho que nesse momento adiamos, mas fingimos que um dia...
    Bjs

    ResponderEliminar
  16. Querida Teresa,

    Adorei o teu conto. As personagens são deliciosas e enternecem-nos o coração. Velho e cão, amigos inseparáveis, juntos numa caminhada, afinal, mais curta do que a pensada.
    A velhice assim narrada faz-nos compreender e imaginar que é um momento rico, bonito, enriquecedor, cheio de memórias... e de medos! Fazer uma operação naquela idade e imaginar-se numa cadeirinha de rodas e dependente, fá-lo fugir da dita. Mas quem não fugiria?
    O velhinho e a sua Maria Otília são um casal que viveram todo um percurso juntos e vão continuar a fazê-lo.
    Gostei da esperança que ainda move o velho. No fundo, o que ele faz é viver!

    ResponderEliminar
  17. Minha querida Natália
    Obrigada pelas tuas palavras. Percebeste tudo o que eu queria transmitir com esta pequena história. Afinal, a velhice é só o final de uma caminhada, que nós vamos adiando conforme podemos.
    Bjs

    ResponderEliminar
  18. Excelente resposta ao desafio! Gostamos de ler este teu texto.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  19. Bela participação!! Amanhã, sim, terá tempo para ir visitar o Júlio e, então divagarão juntos e com o Pinóquio numa bela aventura na apanha do camarão!! Há sempre tempo para viver, recordar e divagar... Principalmente em boa companhia!

    ResponderEliminar
  20. Vagamundos
    Obrigada!
    Pensavam que eu só conseguia escrever crónicas de viagens?
    Bjs (também gosto sempre de vos ler)

    ResponderEliminar
  21. Lala
    Sabes, acho que amanhã eles vão sair outra vez para visitar o Júlio, e talvez não passem outra vez do jardim. O importante é não desistir!
    Bjs

    ResponderEliminar
  22. Olá Teresa. Por acaso já desconfiava-mos que o talento para a escrita estava longe de se limitar às crónicas de viagem :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  23. não sou o pinóquio
    mas sim a sinhã
    e vim para voltar

    :-)

    ResponderEliminar
  24. Muito bom. Quase senti a brisa fresca na face.
    Gostei muito.
    *

    ResponderEliminar
  25. Opá... dá pena.
    Fez-me lembrar o meu avô que mal conseguia andar mas que andava sempre a dizer:"Um dia destes ainda compro uma Vespa!".
    Agora fizeste-me pensar... será que ele tinha a consciência de que jamais a compraria? :\

    Gostei muito... bjinhos**

    ResponderEliminar
  26. Catsone
    Obrigada. Esteve sentado a ver as gaivotas, com o homem do conto!
    Bjs e volte sempre.

    ResponderEliminar
  27. Ginger
    Acho que todos nós, que convivemos com pessoas idosas, encontramos casos destes. E ainda bem. Quer dizer que se recusam a desistir de viver e de ter sonhos.
    Bjs

    ResponderEliminar