quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

O poeta cauteleiro

(Estátua do poeta, em Loulé, junto ao café que costumava frequentar)

Se fosse vivo, faria hoje anos, muitos anos, o poeta popular António Aleixo. É um pretexto tão bom como qualquer outro para o lembrar.
Foi uma personagem singular da nossa literatura. Nascido em Vila Real de Santo António em 1899, não era um homem de letras, pelo contrário, era semi-analfabeto. Toda a vida foi uma pessoa simples mas com uma personalidade rica. Foi tecelão, servente de pedreiro, e por fim cauteleiro. Emigrou para França, regressou a Portugal. E é toda essa experiência de vida que ele reflecte nas suas quadras. 
Andou de feira em feira a cantar as suas rimas, cheias de ironia, crítica social, mas também uma filosofia "aprendida na impiedosa escola da vida", como ele próprio dizia.
Morreu de tuberculose, em Loulé, em 1949. A sua vasta obra foi sendo compilada por amigos e ficou como um modelo da nossa poesia popular.
O ano de 2010 é o Ano Internacional da Luta contra a Pobreza e a Exclusão Social. É uma boa ocasião para recordar o que António Aleixo cantava.


Quem nada tem, nada come;
E ao pé de quem tem comer,
Se alguém disser que tem fome,
Comete um crime, sem querer.





24 comentários:

  1. Pois é, Teresa
    Geralmente não olhamos à nossa volta, queixamo-nos de "barriga cheia", não é?
    Bj

    ResponderEliminar
  2. Linda amostra do canto do poeta...Um beijo, boa noite,chica

    ResponderEliminar
  3. Ana
    É a nossa tendência normal, de seres humanos. Às vezes é bom pôr as coisas em perspectiva.
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Olá Teresa.
    A sua homenagem de hoje, a um poeta popular, muito querido de um familiar meu, o meu avô.
    Lia e relia o seus versos, do seu livro,
    " Este Livro que vos Deixo".
    Também, os pronunciava oralmente, vezes sem conta.
    A sabedoria popular , mas de uma grande profundidade.
    Como lembrança desses momentos, vou escrever um verso, muitas vezes declamado, pelo meu avô.



    Uma mosca sem valor

    poisa, c'o a mesma alegria,

    na careca de um doutor

    como em qualquer porcaria
    António Aleixo

    Devo confessar, que ao ler o seu post de hoje, trouxe-me recordações.
    Bj

    ResponderEliminar
  5. Chica
    É um poeta popular, como vocês também têm aí no Brasil, aqueles poetas do sertão, não é?
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Maré Alta
    Obrigada pelo comentário, que tão bem completou o meu post de hoje.
    Acho que todos temos na memória quadras do António Aleixo.
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Há muito tempo, logo no começo da parte desaparecida do meu blog, fiz uma entrada sobre este singular poeta português.
    Desconhecia a existência desta sua estátua em Loulé.
    Bela homenagem.

    ResponderEliminar
  8. Pinguim
    É mesmo um singular poeta. Vale a pena recordá-lo.
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. É sempre ocasião para recordar António Aleixo.
    A quadra transcrita está aqui colocada, neste ano 2010, com todo o a propósito!
    Foi bom ter olhado hoje pelos seus "óculos".
    Bjs

    ResponderEliminar
  10. Interessantíssimo essas expressões populares, principalmente com seus regionalismos...

    Mas, o que é cauteleiro?

    Rsrsrsrs

    Shisuii

    ResponderEliminar
  11. Shisuii
    Cauteleiro é o que vende cautelas, isto é, bilhetes para um sorteio, tipo loto, aqui à escala nacional.
    Bjs

    ResponderEliminar
  12. Carlos
    Também me pareceu que vinha a propósito.
    Bjs

    ResponderEliminar
  13. Olá Teresa,

    Andando à procura do seu post com os Caretos, deparei-me com este fenómeno da poesia portuguesa: António Aleixo.

    Não me lembraria do aniversário, muito embora eu tivesse 'postado' algo sobre ele, ilustrando c/a mesma foto que a Teresa usou!

    Teremos mesmo, coisas em comum? Achei isto giríssimo!!

    Gostava que fosse ao m/ post «Saudando Loulé... Rimei para Aleixo!» [texto de 29 de Dezembro p.p.], para ler uma 'experiência' que fiz em verso e, humildemente, atrevi-me a publicar.

    O início do post não passa de cópia da Wikipédia!
    Fiz de propósito porque, as pessoas por curiosidade, carregando nos links iam construindo uma ideia sobre o Poeta, as regiões onde viveu e o 'modus vivendi'!

    Foi a 'desculpa', para colar a isto os meus versozinhos!

    O título é: "POEMA A ALEIXO"

    Em nome da cultura popular, tenho a agradecer-lhe o ter-se lembrado de Aleixo, homenageando-o tão bem com o fez neste seu post.

    Nota:

    Quem havia de dizer, que para além das ocupações que refere, também foi agente de polícia!?
    Só a terá dignificado e, enquanto lá serviu, muito terá apreendido no contacto humano [...]

    Obrigado pela atenção
    e,
    Cumprimentos

    César Ramos

    ResponderEliminar
  14. César
    Pois lá irei, com certeza, ver o seu post, António Aleixo merece esta atenção que lhe dedicamos.
    É verdade, também foi agente da polícia, mas creio que foi como cauteleiro, pelas feiras e mercados, que acabou a sua vida. Todas as profissões são honradas. Ou não. Depende do que nós fazemos delas.
    Bjs

    ResponderEliminar
  15. É uma homenagem bem merecida,e é na verdade um bom pretexto para recordar os nossos poetas.
    Bjs

    ResponderEliminar
  16. Oi Teresa
    Que bonito exemplo de vida simples e bem vivida. Vendia e escrevia sonhos .Vou procurar ler mais sobre o poeta cauteleiro, seus versos parecem ligados ao cotidiano da vida mais sofrida.
    obrigada pela partilha.
    abraços

    ResponderEliminar
  17. - Temos exemplos de inteligência popular que é algo de incomparável!

    Não vou lembrar o Bandarra (pois nunca se esquece), mas falar de um lisboeta - sem a profundidade de Aleixo, bem entendido - que tinha uma facilidade enorme de dialogar em verso com as pessoas com quem lidava no dia a dia: era o Carlos dos Jornais.

    Eis um improviso ao atender uma cliente:

    Seja bem-vinda a Menina
    Acabada de entrar
    Com essa carinha linda
    Ilumina o meu olhar!

    E era assim deste jeito a toda a hora!

    Lembrei-me de dizer mais isto, pois tive vontade de aqui voltar...

    Até breve
    Boa noite

    César Ramos

    ResponderEliminar
  18. É um poeta do qual também gostamos muito! Parabéns ao poeta!
    Bjs

    ResponderEliminar
  19. António Aleixo dizia verdades com um toque de poesia.

    ResponderEliminar
  20. Lilá(s)
    Qualquer pretexto é bom para recordar um poeta, não é?
    Bjs

    ResponderEliminar
  21. Lis
    É isso mesmo, as suas rimas reflectem a vida das pessoas simples, a filosofia popular. Fico contente de te dar a conhecer outras facetas da cultura portuguesa, menos sofisticada, mas nem por isso menos verdadeira.
    Bjs

    ResponderEliminar
  22. César
    Pois, é verdade, as trovas do Bandarra; influenciaram até o Padre António Vieira. O Carlos dos Jornais não conhecia, mas esses versinhos, assim espontâneos, são deliciosos.
    Bjs

    ResponderEliminar
  23. Há.dias.assim
    Ou fazia poesia com um toque de verdade.
    Bjs

    ResponderEliminar
  24. Vagamundos
    É isso, vamos dar os parabéns ao poeta!
    Bjs

    ResponderEliminar