quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Se queres ser alguém...

Este ano, tenho umas turmas particularmente difíceis. Uma delas é um Curso de Formação, uma turma do ensino não regular, que me tem esgotado fisica e psicologicamente desde o início das aulas. Ali cruzam-se múltiplos problemas: famílias com baixa escolarização, desestruturadas, rendimentos mínimos, desorientação, falta de concentração, de auto-confiança... Tenho dado voltas à cabeça para conceber estratégias de trabalho com estes alunos. Muitas vezes me sinto desanimada e às vezes apetece-me desistir!
Agora, é altura de balanço. Uma das últimas actividades que fizeram foi um comentário a uma frase, retirada de um filme do qual vimos um excerto. A frase era: Se queres ser alguém, acorda e presta atenção!
Aqui estão algumas das coisas que os meus alunos escreveram. Só corrigi alguns erros ortográficos, para não estragar o sentido.


Se queres ser alguém, luta pela vida, tens de mostrar que queres mudar a tua vida. E sem educação, nunca vais ser ninguém nem chegar a lado nenhum.
Se tu queres ser alguém, tens que lutar por aquilo em que acreditas, lutar para seres feliz e lutares pelo teu sonho. Tens que ter atenção às possibilidades que a vida te dá.
Não deves desperdiçar aquilo que tens com faltas de educação, porque um dia mais tarde vais arrepender-te. Tens de acordar para a vida se queres chegar a algum lado, tens de fazer por isso, não deves desperdiçar as oportunidades que aparecem, se é aquilo que tu queres fazer, mesmo que os outros não acreditem que tu serás capaz de concretizar, porque quando se quer muito uma coisa e nos esforçamos para a ter, isso pode acontecer.
Se não fores humilde e sincero nunca terás a confiança das pessoas e se ninguém confiar em ti nunca vais poder ajudar alguém a tomar as decisões certas.
Se queres ser alguém acorda e presta atenção, acorda para a vida, abre os olhos e segue o teu caminho. Se tu decides o teu caminho, podes escolher o bem ou o mal, isso só depende de ti e das tuas razões. Não depende de outros.


Gostei muito do que li. Ainda há esperança para todos os jovens que percebem que devem aproveitar as oportunidades que a vida lhes dá mas, ao fim e ao cabo, é neles próprios que devem encontrar a força para lutar, para decidirem o seu caminho, para lutarem pelo seu sonho. Para buscarem a felicidade.





(imagem de um anúncio da Benetton)

15 comentários:

  1. Ser jovem é ter um facho de luz, com sonho, empenho e generosidade.
    Depois, a questão é o caminho que nós (adultos) lhes deixamos.

    Digo eu...

    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Ai os Efa's, os EFA's...
    Teresa, em vnte anos de trabalho já tive muitas turmas difíceis e chego à conclusão que foi com esses alunos que mais aprendi, que mais evoluí como professor e como pessoa; cada aluno desses é um mundo sofrido disfarçado de fera.
    Custa muito, este trabalho. Mas tem compensações. Acho que a nossa profissão, tão mal tratada porque incompreendida, tem esta enorme virtude: trabalhamos com seres humanos em formação e não há nada mais espectacular que uma alma em construção. Custa imenso e eu compreendo-te mas conforta-te com isto: é bom vê-los crescer :). E essas frases que tens aí são o testemunho dessa gratificação que tiramos do trabalho.

    ResponderEliminar
  3. MagyMay
    É verdade que são fachos de luz, mas às vezes é tão difícil gerir toda aquela revolta, recusa em deixar sair a luz, má educação, desorientação,...
    Às vezes, vemo-los desbaratar os sonhos, seguir caminhos mais fáceis. E isso desgasta-nos muito.
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Eles tem a vida pela frente e pena, às vezes, se deixam iludir por poutros e saem da estrada que poderia ser a melhor...beijos,chica

    ResponderEliminar
  5. Manuel
    Também já tive várias turmas destas, como podes calcular. Batalho durante um ano inteiro e depois despeço-me deles com lágrimas.
    Mas confesso que esta turma, este ano, tem sido particularmente difícil. Só agora começo a ver algum resultado do trabalho e, mesmo assim, não é com todos os alunos. Por isso eles me emocionam!
    Bjs. Obrigada pela compreensão.

    ResponderEliminar
  6. Chica
    Deixam-se iludir por tanta coisa, por eles próprios, pela própria vida. E a nossa batalha parece por vezes tão inglória!
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Teresa... estás a ver!
    Eles estão a formar-se. Eles vão crescer e não será só em altura e largura! :-) Pensa nisso!

    Um dia eles vão lembrar-se da "Stôra" Teresa com carinho!

    Mas eu compreendo-te. Não tenho CEFs, mas tenho turmas endiabradas, uma delas é de FUGIR... No entanto, gosto muito deles e preocupo-me, se calhar até de mais!!!

    Desabafos de professoras...rrsrsrsr...

    Beijinho*

    Fanny

    ResponderEliminar
  8. Fátima
    Eu sei que tu tens razão, mas tu também sabes que, no dia a dia, é tão difícil!
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Quero acreditar que essas frases são sinceras, que são sentidas, mas receio que muito desse produto seja apenas vento e fumaça.

    Muitos desses jovens são como os de uma turma de uma colega cá dos Alentejos, que foi desterrada para os arredores daí da capital. Repreendido um deles, exclamou para a professora:

    -Oh stora, por que me hei-de chatear, se ganho mais no fim de semana do que a stora em dois ou três meses?!

    (...mas se conseguirmos «salvar» um que seja, salvaremos o Mundo!)

    ResponderEliminar
  10. Papagaio
    Tens razão em muito do que dizes. Mas eu acho que as frases são sinceras, no meio da sua desorientação, alguns destes miúdos precisam da nossa ajuda e acabam por crescer, um pouco aos trambolhões, mas enfim!... Já tive várias turmas de CEF, e há sempre alguns que se perdem, mas há outros que aproveitam e seguem a sua vida direitinha. E é para esses que eu trabalho.
    Quanto à questão do dinheiro, é um problema social. Quantas pessoas adultas é que tu conheces que valorizam muito mais quem é inculto mas tem dinheiro? Isso é o retrato da nossa sociedade. E eu bem o sei. Não te esqueças que tenho tido como alunos muitos miúdos da Academia do Sporting, que ganham mais com 15 anos do que eu com 50. Mas a escola também serve para transmitir valores. Não podemos é baixar os braços e alinhar nas doutrinas educativas facilitistas e de deixa-andar.
    Bjs

    ResponderEliminar
  11. Oi,Teresa
    Ensinar é uma missão dura e muitas vezes dá mesmo vontade desistir. Comigo aconteceu, saí das sala de aula pra suprrvisao pedagógica da minha Secretaria, daí nao voltei mais. Com os pequeninos ainda é mais fácil, adolescentes há de ter garra senao abatem o professor rsrs
    Há esperança,Teresa prossigamos acreditando e acontecerá .
    Recebi seu retorno e vou providenciar rapidinho. Uma troca bonita de Natal entre nós.
    Abraços

    ResponderEliminar
  12. Eu também acho que é nos jovens que as apostas de esperança devem ser colocadas.

    Se eles aceitarem que os professores estão lá para os ajudar e promover e, em contrapartida, trabalharem, primeiro para sua valorização e depois para responderem positivamente aos desafios que lhes serão colocados, reunem condições importantes para serem bem sucedidos e estarão tranquilos por ter feito o que lhes competia.

    Saudações

    ResponderEliminar
  13. Lis, JPD
    É claro que temos de ter esperança nos jovens. Eles são o futuro. O problema é quando eles próprios se demitem de lutar e entram por caminhos mais fáceis, mas muito menos risonhos. Às vezes, é difícil ajudá-los, porque eles próprios não aceitam a ajuda, revoltam-se contra tudo econtra todos. Especialmente estas turmas especiais.
    Mas não podemos baixar os braços, não é?
    Bjs

    ResponderEliminar
  14. Penso que a maioria dos jovens acaba mais cedo ou mais tarde por perceber que tem de lutar para ser feliz... pode, é essa felicidade não coincidir com a esperada ou com a desejada por outros... Muitas vezes são os próprios que se apercebem que estão a desperdiçar oportunidades, mas escolhem outros caminhos... de acordo com a sua liberdade individual... e às vezes arrependem-se mais tarde... é bom fazer-lhes ver que vão sempre a tempo de mudar e lutar mesmo mais tarde, se hoje fizerem as escolhas erradas...
    beijo

    ResponderEliminar
  15. Eva
    Ser adolescente é mesmo assim, é procurar perceber a si próprios e aos outros, experimentar caminhos. Mas custa muito trabalhar com eles, quando são eles a recusar a mão que tentamos estender-lhes. Por isso, as pequenas vitórias, que são nossas e deles, sabem tão bem!
    Bjs

    ResponderEliminar