terça-feira, 8 de dezembro de 2009

O Bolo-Rei



A pensar no meu amigo Shisuii, resolvi fazer este post sobre uma das coisas mais agradáveis que traz cada época natalícia: o Bolo-Rei. O Bolo-Rei é um bolo de massa levedada, como o pão, recheado com os mais diversos frutos secos e coberto de açúcar e frutas cristalizadas.
Tradicionalmente, esconde na massa uma fava e um pequeno brinde. O brinde traz sorte a quem o encontra, enquanto a fava traz despesa, porque quem a apanha deve comprar o próximo Bolo-Rei.
Dizem que a sua origem é francesa, mas na verdade não se parece nada com a tradicional Galette des Rois que se come em França. O que se sabe seguramente é que começou a ser vendido em Lisboa, pela Confeitaria Nacional (essa maravilhosa pastelaria da Baixa que, por si só, mereceria um post!), cerca de 1860. O sucesso foi grande e, em 1890, é posto à venda no Porto, pela Confeitaria de Cascais.
O destino do Bolo-Rei esteve em perigo quando da implantação da República, já que o nome parecia uma ovação ao regime monárquico. Houve quem advogasse o final do fabrico deste bolo; outros propuseram mudar-lhe o nome para Bolo-Presidente ou mesmo Bolo-Arriaga, do nome do nosso primeiro Presidente da República. A maioria da população, no entanto, sabia distinguir as coisas e, por muito republicanos que fossem, ao bolo mais tradicional do Natal preferiam continuar a chamar Bolo-Rei. E o nome ficou, claro!
Hoje, o Bolo-Rei não pode faltar em nenhuma mesa, na Consoada. Mesmo os que não gostam muito, se rendem à tradição. Eu confesso que adoro!







(Algumas informações foram retiradas do livro "Cozinha Tradicional Portuguesa" da Editorial Verbo)

18 comentários:

  1. Olá Teresa,
    Desta vez sou o primeiro. Não quer dizer que isto contribua para alguma distinção.
    Gostava de saber quem foi a "alma de génio" que inventou esta receita.
    Já ouvi muitos dizer que não gostam de Bolo Rei, e normalmente quando o dizem estão ao balcão de uma qualquer pastelaria a comprar o dito.
    Não se gosta mas come-se.
    Eu adoro Bolo Rei.
    Ainda bem que com a implantação da República este não desapareceu. Era mais uma das "burrices" da época.
    Agora , e por questões de segurança, o Bolo Rei perdeu um bocadinho do seu encanto. Já não pode trazer o "brinde". Coisas dos tempos modernos.

    Um beijo,

    ResponderEliminar
  2. Pois, tens razão, esqueci-me que já não havia brinde. Coisas da defesa do consumidor! E fava, será que ainda há?
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. E tens coragem de mostrar tudo isso e não mandar uma provinha pra gulosa aqui?rsrsr Deve ser ótimo!beijos,chica

    ResponderEliminar
  4. Oh, Chica, eu até mandava, mas acho que não chegava ao Brasil em boas condições!
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Ai Teresa, como eu te compreendo...
    E o recente "inventado" Bolo Rainha, já experimentaste? É uma éspécie de bolo rei, mas apenas com frutos secos. Uma verdadeira delícia!!! Recomendo.

    ResponderEliminar
  6. Jà comiamos uma fatiazinha de bolo rei :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Aqui vai um comentário como hoje alguém me sugeriu no local de trabalho.
    Trata-se uma frase de um autor desconhecido.

    " A medida do caracter de um Homem, mede-se pelo que ele faria, se soubesse que não era descoberto."

    Astro Rei

    ResponderEliminar
  8. Ana
    Isto de ser gulosa é terrível: eu gosto mais do Bolo-Rei do que do Rainha, porque... é mais doce!
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Olá Vagamundos
    Não há Bolo-Rei na Dinamarca, calculo! Eu também vos mandava um, mas desconfio que não chegava aí em bom estado.
    Bjs

    ResponderEliminar
  10. Astro-Rei
    Não percebi o seu comentário. Se ninguém o descobrisse, roubava um Bolo-Rei inteiro?
    Obrigada pela sua visita e volte sempre.

    ResponderEliminar
  11. Olá Teresa.

    Elevemos a situação ao absurdo.
    Como reagiria O Homem no seu dia a dia. Nas suas atitudes e comportamentos nas suas escolhas, se soubesse que não era descoberto.
    Neste caso concreto, do Bolo-Rei.
    No meu caso, não lhe roubava o Bolo Rei-inteiro, nem tão pouco uma fatia por mais delicioso que ele estivesse. Apenas aceitava uma fatia, mas só no caso de ser oferecida.
    É uma questão de carácter.
    Já agora, devo confessar que aprecio mais o Bolo Rainha.
    Astro Rei

    ResponderEliminar
  12. Querida amiga,

    o Bolo Rei encontra-se em todas, ou quase todas, porque os tempos são de crise, as mesas na noite de Consoada. É um dos meus bolos favoritos.
    Por imposição da ASAE já não encontramos a fava e o brinde!
    Como adorava quando me saía o pequenino brinde embrulhado cautelosamente num papelinho. E não era nada de muito valioso, mas era engraçado. O mesmo se passava se via sair a outra pessoa a fava!
    Têm-se perdido muitas tradições genuínas em nome de uma instituição que é "mais papista que o Papa". Os republicanos foram bem mais inteligentes ao preservar uma tradição.
    Tal como tu, prefiro o Bolo-Rei ao Bolo Rainha e pelas mesmas razões... gulodice!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Olá Natália
    Partilhamos a mesma gulodice, não é?
    Também gostava do brinde, eram coisinhas sem valor, mas era engraçado. Suponho que tiveram medo que partissemos algum dente!
    Bjs

    ResponderEliminar
  14. Pronto, Astro Rei, elevando a situação ao absurdo, não lhe posso oferecer uma fatia de Bolo Rainha, porque gosto mais do Bolo-Rei! Mas posso sempre oferecer um cafezinho ou uma chávena de chá! Assim está bem?

    ResponderEliminar
  15. Não vim cá no dia certo, agora não me posso queixar: fiquei sem saborear o bolo.

    Saudações

    ResponderEliminar
  16. JPD
    Fica para a próxima. Até ao dia de Reis, ainda há muitos doces para saborear.
    Bjs

    ResponderEliminar
  17. Olá Teresa, permita-me :
    O facto de gostar mais do Bolo Rainha, entenda-se que é em sentido estrito.
    Pois, a Língua Portuguesa é muito traiçoeira.
    Astro Rei

    ResponderEliminar
  18. oi vc ?eu quero faze um bolo? um?

    ResponderEliminar