quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Quentes e boas!



Esta época do ano traz consigo uma coisa fantástica: os carrinhos de venda de castanhas assadas!
Eu gosto muito de castanhas: nos assados de borrego, ou de perú, estufadas com cogumelos, cozidas com erva-doce, ou simplesmente assadas, com uma nozinha de manteiga. Pronto, eu sei que tudo isto engorda imenso, mas desde que sem exageros, sabem deliciosamente.





Mas não há castanhas que saibam tão bem como as que se compram na rua. Às vezes, estão tão quentes que nos queimam as mãos, ao descascá-las. Mas aquecem-nos as mãos e a alma. Aquele fumo que sai dos assadores não cheira apenas a castanhas assadas: cheira a manhãs enevoadas e tardes frias; cheira a casacos compridos e cachecóis de lã; cheira a lareiras acesas, a pinheiros e luzes de Natal, a chapéus de chuva e chocolate quente. Cheira a Inverno.
Este ano, os vendedores de castanhas introduziram uma inovação nos pacotinhos de castanhas. Já não compramos as castanhas num cone sabiamente feito com papel de jornal ou de lista telefónica. Agora, há uns saquinhos especiais, com duas aberturas, uma para as castanhas, outra para as cascas. Acho bem, pode ser que se deitem menos cascas para o chão. A modernidade chegou aos vendedores ambulantes de castanhas assadas.


8 comentários:

  1. Olá,
    Então Castanhas ??
    Pois é , a entrada do Outono, a chegada de Novembro com o S. Martinho trazem as castanhas e a tecnologia da forma de assar castanhas nas ruas deste Portugal. Quando cheguei a Portugal em 1975, adorei fazer o meu primeiro Magusto, com as castanhas a serem assadas sob a caruma.
    Foi algo que nunca tinha visto. A bem dizer na altura nem sabia o que eram castanhas. Só conhecia as que estavam nos frascos. Não, não é falta de cultura. O facto é que onde nasci não havia Castanheiros.
    Considero o Castanheiro uma árvore quase que "imperial". A longevidade e a beleza desta árvore é especial.
    Realmente é uma altura especial.
    Gostei do teu post.
    Um beijo

    ResponderEliminar
  2. Que delícia isso.Meu marido que é italiano adorava sempre elas.E boa idéia essa do saco com lugar para as cascas.Cuidar do planeta faz bem!beijos,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  3. Foi uma imposição da ASAE, a dos saquinhos.
    Contudo, para além da limpeza e da maior higiene do novo sistema, permita que lhe diga que sinto saudades dos saquinhos em cone, feitos de listas telefónicas e até de jornais...
    Mas enfim... a tradição já não é o que era.
    De quialquer modo, a imagem que dá do cheiro das castanhas é deliciosa!

    ResponderEliminar
  4. FAires
    Que horror viver num sítio onde não há castanheiros, nem castanhas assadas! Ainda há quem fale bem dos climas tropicais!
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Chica
    Suponho que aí no Brasil não se vendem castanhas assadas? Pronto, não há sítios perfeitos!
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Olá Tony
    Também calculei que fosse imposição da ASAE, mas até me parece bem. Desde que não expulsem os carrinhos das castanhas das ruas...
    (Li o post do Romeu, e nem soube o que dizer! Também tenho uma gata, a Sushi, e calculo o que sente!)
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Eu simplesmente adoro essas castanhas... especialmente se vierem em papel de jornal , parece que sabem melhor :) Tens razão sabem sempre melhor que em casa :)Não há castanhas assadas no Brasil? nunca tinha pensado nisso... também nós não temos um montão de frutas que há por lá... mas castanhinhas , yum yum e são presença constante no meu Natal, com perú e batatinhas assadas... ai ai...

    ResponderEliminar
  8. Eva
    É daquelas coisas mesmos boas, que nos fazem aguentar melhor o inverno.
    Bjs

    ResponderEliminar