terça-feira, 10 de novembro de 2009

Uma história de vida

Quando estive em Israel, no Verão passado, tive o privilégio de encontrar alguns sobreviventes do Holocausto nazi. Um deles foi Albert Neuwirth, sobrevivente do gueto de Budapeste. Contou-nos a sua história de sobrevivência, desespero, perseverança.



(A Grande Sinagoga de Budapeste)


O pai tinha emigrado para a América Latina, para abrir um talho de carne “kosher” ( carne de animais mortos e preparados segundo os preceitos da religião judaica), na Argentina. Quando a situação lho permitiu, enviou bilhetes de barco para a mulher e os filhos se lhe reunirem. A uma semana do barco sair, a guerra deflagrou, os portos fecharam-se e, tal como tantos outros judeus, Albert ficou preso numa Europa que não lhes permitia viver livremente, mas que também não lhes permitia partir. A Hungria era então aliada do Terceiro Reich hitleriano, e os judeus foram encerrados em guetos, para agradar ao poderoso vizinho. Até 1944, foram sobrevivendo, com a ajuda de diplomatas estrangeiros, como Raoul Wallenberg, que passavam mantimentos clandestinamente para dentro do gueto. Albert recorda com tristeza que não podiam contar com a solidariedade dos húngaros: uma ocasião, uma sua vizinha conseguiu fugir com o filho; apanhados por uma brigada de “flechas cruzadas”, tiraram as calças ao rapazinho e mataram-nos ali mesmo, ao descobrirem que eram judeus, já que ele era circuncidado.



(Objectos de Culto no Museu de História Judaica, em Budapeste)


Em 1944, os Alemães ocuparam a Hungria e até a pouca comida que entrava no gueto começou a faltar. Com doze anos, o trabalho de Albert era andar com uma carreta pelas ruas, recolhendo os cadáveres dos que morriam das mais varidas doenças ou, simplesmente, de fome.
Quando as tropas russas libertaram Budapeste e abriram o gueto, distribuíram as suas rações de combate pelos seus esfomeados habitantes, que muitas vezes morriam da abundância, quando tinham conseguido sobreviver à fome, já que os seus sistemas digestivos não estavam preparados para uma refeição normal.



(Cemitério judaico de Budapeste - Este muro representa os milhares de cadáveres não identificados)


Encerrado num campo de refugiados com a irmã, Albert conseguiu finalmente reunir-se ao pai, na Argentina, depois da guerra.
Ao ouvi-lo falar, sente-se a raiva e a revolta por uma infância violentada, mas também a força e a teimosia de quem lutou pela sobrevivência e agradece todos os dias o milagre de estar vivo.





(Monumento memorial do Holocausto, em Budapeste - Nesta árvore de metal, cada folha tem o nome de uma família atingida pelo Holocausto)


(Fotografias de Teresa e Fernando Ferreira)

12 comentários:

  1. Historias de vida fortes e emocionantes.Lindas fotos,Teresa!beijos e um lindo dia,chica

    ResponderEliminar
  2. Uma história de vida que seguramente marcou essa viagem a Israel, muito bem reproduzida aqui no blog.
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Teresa
    Lendo e nem acreditando! dificil imaginar o sofrimento desse povo, parece irreal e muito triste. Gostei da leitura , cada vez gosto mais de vir aqui,Teresa, só que nem sempre consigo acompanhar direitinho.
    Uma noite de descanso e um dia feliz amanha. Abraços

    ResponderEliminar
  4. Chica, Vagamundos
    Obrigada pelos comentários. São estórias emocionantes, sim, que me marcaram bastante.
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Lis
    Obrigada por vir até aqui, quando pode. Às vezes é difícil acreditar que estas histórias tristes aconteceram mesmo, estamos habituados ao cinema, tudo parece um filme. Mas é real, e não foi há tanto tempo assim. São exemplos a reter do que faz o racismo e a xenofobia, a intolerância e a manipulação ideológica: esquecemos que o outro é um ser humano igual a nós.
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. São histórias reais que nos obrigam a pensar!
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Lilá(s)
    Parecem filmes, mas são reais. E quantas histórias tristes não continuam a acontecer à nossa volta!
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Venho aqui dar uma espiadinha e agradecer a sua visita no meu blog. Obrigada também por suas palavras carinhosas para com o meu trabalho.
    Quando quiser ouvir uma história é só clicar em FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... em http://www.silnunesprof.blogspot.com
    Tenha um BOM DIA.
    Que a PAZ e o BEM esteja sempre com você.
    Saudações Florestais !

    ResponderEliminar
  9. Venho aqui dar uma espiadinha e agradecer a sua visita no meu blog. Obrigada também por suas palavras carinhosas para com o meu trabalho.
    Quando quiser ouvir uma história é só clicar em FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... em http://www.silnunesprof.blogspot.com
    Tenha um BOM DIA.
    Que a PAZ e o BEM esteja sempre com você.
    Saudações Florestais !

    ResponderEliminar
  10. Fico sempre demasiadamente emocionada e triste, quando oiço ou leio estórias relacionadas com o Holocausto nazi. Não consigo conceber tanta maldade no ser humano e sinto uma revolta interior por tudo o que aconteceu. São estórias reais que ainda fazer sofrer muito.
    Um beijo
    Romicas

    ResponderEliminar
  11. Que post. Bacana. Daria até pra usar em aula...

    ^^

    Parabens!


    Shisuii

    ResponderEliminar
  12. Shisuii
    Pode usar em aula à vontade. Foi-me contada na primeira pessoa pelo próprio. E como eu tenho o salutar hábito de andar sempre com um caderno e registar o que me interessa, acho que posso garantir a veracidade!
    Bjs

    ResponderEliminar