segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Tolerância


Hoje é o Dia Internacional da Tolerância.
Tolerância que não encontramos muito, nas nossas relações pessoais, profissionais, internacionais! Apesar dos discursos e dos enunciados de intenções. 
Encontrei esta imagem, linda, no blogue Conversas Daqui e Dali, juntamente com um desafio que aqui deixo, para quem tiver a coragem de responder a estas perguntas, só aparentemente fáceis. Eu já respondi.


1 – O que significa ser tolerante.


Para mim, ser tolerante significa simplesmente aceitar o outro e aceitar que o outro tem direito a ser diferente de mim.

2 – Em que situações tenho dificuldade em praticar a tolerância.



Tenho muita dificuldade em tolerar a intolerância, a infalibilidade ideológica, o desprezo pelos direitos individuais. Também me custa a tolerar a mentira, mesmo as mentirinhas pequeninas. Mas francamente o que me custa mais a tolerar é a arrogância da estupidez.


3 – Tolerância será abrir mãos das próprias convicções? Porquê?


Acho que não tenho de prescindir das minhas convicções para respeitar as convicções dos outros. Não há nada tão estimulante como uma boa discussão de ideias, honestamente esgrimidas.

8 comentários:

  1. Oi Teresa
    Linda a imagem, sugestiva e doce.
    Ser tolerante é isso aí, aceitar as diferenças , trazer pra roda o que nem sempre gostamos, é aceitar , oferecer , doar nossa melhor parte, e é um exercicio diicil , mas nao impossível.
    Acredito que sinto dificuldade em tolerar a traição e a mentira. Não dá pra aceitar ,não há tolerância pra falsidades.
    Não, tolerancia não é ser omissa ou mudar nossas convicçoes, é apenas praticar a generosidade e o amor irrestrito e aceitar o outro sem mudar nossos conceitos.
    Não sei se respodi a contento, tentei,Teresa. São perguntas pertinentes e um tanto dificeis de explicar.Melhor praticá-las, sempre que necessário.
    Beijinhos ,

    ResponderEliminar
  2. Desculpa se só agora posso retribuir a visita; mas o bolo de chocolate levou algum tempo e depois... depois o tempo não chega para tudo. Algo a que somos pouco tolerantes,ao tempo. que nos stressa, que nos comprime nas obrigações, que nos acelera a mil à hora. e depois, acabamos intolerantes, connosco e com os outros.

    Acho que a obrigação de sermos tolerantes leva-nos à intolerância. Quem é tolerante, perante tanta intolerância, um deixa deixa de o ser, talvez porque perca as estribeiras.

    É óbvio que ser tolerante tem muito da maneira de ser de cada um; mas muita da intolerância que se observa no dia a dia, prende-se com o pagamento de serviços. Quem paga, acha-se no direito à intolerância. Ainda bem que não somos todos assim.

    Depois há a intolerância social, aquela que dá origem a fenómenos muito preocupantes, em crescendo, como a xenofobia e o racismo, entre outros.

    Acho que a (in)tolerância é mais evidente nos dias de hoje, em que, num mundo de globalização, a competição existe e prevalece, mais que nunca, a lei da selva, é o mais forte que sobrevive.

    Beijinho e prometo voltar mais vezes.

    ResponderEliminar
  3. O mundo está cada vez mais intolerante.Pena! Isso pode ser visto no trânsito, escolas, tudo.Deve começar em cada um de nós...beijos,chica

    ResponderEliminar
  4. Teresa,

    Então, e as suas respotas?
    Vá,coragem, minha amiga Professora, ponha lá os óculos!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Pronto, Carlos, tem razão, não foi nada bonito colocar as questôes sem as minhas respostas. Elas já aí estão, agora.
    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Lis, Chica
    Concordo com quase tudo, as nossas respostas coincidem muito, não é?
    O melhor é começar a aceitação dentro de cada um de nós.
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Pepita
    Realmente, continuam a grassar o racismo e a xenofobia, mesmo disfarçados; temos tanta dificuldade em aceitar as diferenças nos outros!
    Quanto à intolerância do pagador de serviços, acho que é simplesmente má educação.
    Bjs e volta sempre.

    ResponderEliminar