quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Os Pássaros

Esta noite trovejou, mas a manhã acordou clara e lavada. No meu terraço, saltitavam melros e eu lembrei-me deste poema de Ruy Belo.

"Eu amo as árvores principalmente as que dão pássaros
Quem é que lá os pendura nos ramos?
De quem é a mão a inúmera mão?
Eu passo e muda-se- me o coração."

Ruy Belo

4 comentários:

  1. Olá Teresa! Que lindo poema! Sabes, já morei num sítio onde tinha à janela muitas árvores e pássaros, que se penduravam nos ramos. No final do dia gostava de apreciar o belíssimo quadro: todos os pássaros a voar alegres e a cantar em volta das árvores. Tenho pena não continuar nessa janela...que entretanto já não é minha e já lá construiram prédios...mudam-se os tempos...

    Olha obrigada por aceitares o convite! Para participar, agradecia que enviasses enqunto antes o texto por email (aminhaldeia@sapo.pt), para publicar todos os textos em simultâneo amanhã, dia 10.
    Bjs Susana

    ResponderEliminar
  2. Como gosto dos poemas de Ruy Belo a par de outros poetas e poetisas! Como este nos enternece e nos faz bem à alma...
    Depois da tempestade, veio o sol e o calor e o chilreio alegre dos pássaros a lembrar-nos que ainda é Verão.
    Gosto de ler os teus posts, só não os comento quando me faltam as palavras.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Susana
    Já enviei o texto, feito um bocado à pressa. Também aparecerá aqui no blogue amanhã.
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Natália
    A poesia faz sempre bem à alma. Que nunca te faltem as palavras, que usas de forma tão bonita.
    Bjs

    ResponderEliminar