segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Cigarros, chocolates e cigarros de chocolate

Hoje fui a uma loja especializada na venda de produtos feitos de chocolate, para comprar moedas de chocolate. À saída, vi numa caixa uns pacotinhos que se pareciam mesmo com maços de tabaco. E perguntei à vendedora: "São cigarros de chocolate?" A rapariga, muito simpática, explicou-me que não, que já não havia esse produto há cerca de dois anos, que inclusivamente podiam pagar multa se fizessem e comercializassem produtos com o feitio de cigarros, charutos ou qualquer coisas que fosse fumável. Para evitar o quê? O vício? Trocámos ali umas opiniões, saltaram logo as recordações, juntaram-se mais duas pessoas. Todos tinhamos consumido furiosamente cigarros de chocolate na infância. "Lembro-me de os comprar na taberna lá da terra, o meu pai dava-me umas moeditas..." . "Eu até coleccionava os pacotinhos com as marcas!" Afinal, nenhum de nós fumava, pelo que o efeito pernicioso dos cigarrinhos de chocolate não tinha tido efeito em nenhum de nós! A vendedora até mostrou o artigo da Lei do Tabaco (Artigo 17.º) que proíbe estes produtos. Mas então, esperem lá, é proíbido vender cigarros de chocolate, mas os cigarros a sério são vendidos à vontade, não são? Sim, aqueles que têm nicotina, e alcatrão, e mais uns 400 produtos químicos, muitos deles altamente viciantes e cancerígenos. Tem muita lógica, não há dúvida, os cigarritos de chocolate são incomparavelmente mais perigosos. 
Temo pelos outros produtos de chocolate. Quem sabe se o consumo de moedas de chocolate não nos torna gastadores compulsivos? Ou as sombrinhas de chocolate, será que nos vão tirar o prazer de andar à chuva? E os carrinhos, meu Deus, os carrinhos de chocolate parecem-me tão perigosos! Podem tornar-nos condutores irresponsáveis, não é?
Enfim, o melhor é comer uma tablete de chocolate ou um bombom. Desde que não seja um Bacci ou um Mon Cheri, que me pode tornar irremediavelmente ninfomaníaca!



18 comentários:

  1. Estás-me a dar uma novidade.
    Quem não "fumou" um cigarro de chocolate quando era novo?

    ResponderEliminar
  2. Pinguim

    Também não sabias, como eu?
    Pois aí está um "vício" que os nossos miúdos não podem experimentar.
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Em miúdo houve um adulto que chegou um fósforo ao meu cigarrito de chocolate… ainda não esqueci essa "maldade"...
    :)

    ResponderEliminar
  4. Tanta instrução, tanta norma, esta ânsia de tornar o nosso quotidiano asséptico, este fundamentalismo... Quanto mais se proíbe mais se induz o desejo.

    Comecei a fumar não por ter ensaiado com cigarros de chocolate.
    Deixei de fumar e continuei a gostar de chocolate.

    Boa edição, Teresa.
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Rui

    Espero que essa "maldade" não o tenha impedido de comer o seu cigarrito!
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. JPD

    Parece que não há relação entre o vício do tabaco e os pobres dos cigarritos, não é?
    Confesso que não gosto de ambientes demasiado assépticos, acho pouco saudáveis.
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Estamos feitos em fundamentalistas !
    Excepto na corrupção...


    Um beijo.

    ResponderEliminar
  8. Como eu gostava desses cigarrinhos de chocolate!
    Com que então foram proibidos?!
    Que disparate!
    Eu continuo a atacar o Mon Chéri!

    Abraço

    ResponderEliminar
  9. Ai Teresa...
    Nem sei q comente...
    Este teu post fez-me lembrar um mail que recebi há uns tempos atrás, sobre os "perigos" que a nossa geração correu e a miraculosamente sobreviveu, como por exemplo andar de bicicleta sem capacete, dormir em camas pintadas com tintas feitas com chumbo, não usar esterizadores de biberons, ir para a escola sem telemóvel, etc...
    beijo grande
    Ana

    ResponderEliminar
  10. Não sou fumador, mas detesto
    fundamentalismos!

    Choquei com esta notícia!

    Já sabia - a nível de outros ítems -, que vivemos numa sociedade hipócrita e ridícula; mas esta... haver uma Lei a "punir" os
    cigarritos de chocolate, é de Cabo de Esquadra, e quadrúpede!

    Prevenção e repressão em minudências... para que as "iludências" "aparudam" e... o resto, continue numa boa (porcaria)...!

    Ai que texto tão bem escrito, para contar uma coisa tão mal "parida"!

    Nota:
    -Cuidado, não apanhem alguma piela com os «bom-bons» de licor!

    Abraço
    César

    ResponderEliminar
  11. João

    Realmente, parece que em relação à corrupção não temos estes pruridos!
    Bjs

    ResponderEliminar
  12. Rosa dos Ventos

    Com que então, também consumia cigarritos de chocolate? Não me diga que não teve consequências terríveis na sua personalidade!
    Temos de rir com estas coisas, para não chorar!
    Bjs

    ResponderEliminar
  13. Ana

    Pois é, não sei como sobrevivemos nun mundo tão perigoso. E que saudades eu tenho!
    Bjs

    ResponderEliminar
  14. César

    Tem toda a razão! Como é que me esqueci dos bombons com licor? Temos de acabar com eles, podemos tornar-nos alcoólicos!
    Bjs

    ResponderEliminar
  15. Hoje em dia vou-me ficando pelo chocolate preto...bem bom.
    Bjs

    ResponderEliminar
  16. Eu sou fumadora, mas por acaso não consumi muitos de chocolate em criança - era mais sombrinhas! Deve ser por isso que perco todos os meus guarda-chuvas... :)

    Mas realmente há fundamentalismos ridículos!

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  17. Tereza,

    Aqui no Brasil tb houve os cigarrinhos de chocolate... Tb me fartei deles, e tb das sombrinhas...
    Mas essa lei é engraçada e um tanto errada, não achas?

    bjo

    ResponderEliminar
  18. os cigarros de chocolate que fazem bem á saúde é que tiram está bonito está sim senhor em contrapartida deixam á venda esses cigarros que dão cabo da saúde quero ver se os tirassem do mercado as pessoas começariam a consumir os cigarros de chocolate num estante

    ResponderEliminar