quarta-feira, 22 de agosto de 2012

A família do lado

Sentei-me na esplanada, estiquei as pernas e, como sempre, olhei em volta. Quase simultaneamente, uma família sentava-se na mesa do lado. Alguma coisa me chamou a atenção e continuei a observá-los, pelo canto do olho. O pai era alto e forte, mas tinha um ar mortiço. Sentava-se muito direito, o olher perdido no infinito, as mãos abandonadas no colo. A mãe, pelo contrário, tinha energia para dar e vender. Agiatava-se permanentemente, falava alto, ajeitava a cadeira do marido, punha-lhe o braço por cima do ombro enquanto lhe beijava a bochecha. E ele, de olhar mortiço preso ao horizonte...
Traziam um miúdo de uns nove ou dez anos, que os tratava por pai e mãe. De óculos e franzino, parecia não pertencer ao conjunto.
Encomendaram umas "tapas" e, quando chegou a comida, a mãe atacou os pratinhos com uma voracidade que condizia com o seu corpo volumoso. Tomou posse do garfo, comendo apressadamente. De vez em qaundo, metia uma garfada na boca do marido, que não esboçava um gesto. O rapazinho comia uma sanduiche, com ar distraído.
Dei por mim a embirrar com o grupo embora, ao mesmo tempo, me fascinassem. Por qualquer razão, não conseguia desviar os olhos da família da mesa do lado. Irritava-me particularmente o facto de a mulher dar a comida na boca ao homem. Será que ele não tinha mãos? Uma caneca de cerveja veio tirar-me as dúvidas. O homem colocou a mão na asa da caneca e não mais a retirou, levando-a de vez em quando à boca. Bem, claramente o homem tinha mãozinhas e funcionavam! Comecei a ruminar comentários sobre a subserviência com que algumas mulheres se comportavam face aos homens. Daí às observações sexistas foi um passo!
Entretanto, todos acabaram de comer. O miúdo desafiou o pai para jogar à sardinha. Ele riu-se e virou-se na direção do filho, que era também a minha, tateando desajeitadamente o braço do miúdo.
Foi então que a verdade me atingiu, com a força da evidência: o homem era cego! Daí a passividade, alguma dependência da mulher, os gestos titubeantes...
Paguei a conta e levantei-me, envergonhada comigo própria. É tão fácil julgar pelas aparências!...


9 comentários:

  1. Estamos sempre a julgar o mundo, e ele a pôr-nos à prova...
    Uma bela crónica!|

    ResponderEliminar
  2. Tens toda a razão: É tão fácil julgar pelas aparências!...
    Mas a verdade é que é tão fácil encontrar "grupos estranhos" em qualquer lugar, que, ao mesmo tempo, é compreensível o teu erro.
    E, além disso, redimiste-te!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Não estava à espera deste final...
    Fazemos realmente muitas vezes juízos precipitados mas, desde que não sejam maldosos, nem prejudiquem terceiros, também não nos devem pesar demasiado na consciência

    ResponderEliminar
  4. Nem tudo o que parece, é!
    Tens razão porque às vezes somos precipitadas a tirar conclusões...penso que é uma característica mais feminina! :-((

    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Enquanto lia, lembrei-me logo que poderia ser esse o problema. Mas é isso - as aparências não falam, muitas vezes, verdade.

    ResponderEliminar
  6. Não deixa de ser uma boa lição que devemos tirar de conclusões pela aparência.E existe o contrário também, pensamos algo bom de alguém que a realidade é horrível;
    Precisamos é vigiar mais nossos pensamentos ah esses pensamentos!! eles nao obedecem regras, chegam as vezes aos turbilhões.
    Não se envergonhe Teresa, é normal, o importante é tomar mesmo como uma experiencia ,um aprendizado e ponto.
    um abraço

    ResponderEliminar
  7. NUnca devemos julagar pelas aparências nem substimar quem temos à frente. Mas é tão fácil, demasiado fácil, cair em tentação. E estou a dizer isto em relação a mim, porque este texto me recordou uma situação vivida por mim, assim deste género.

    Um bom dia.

    ResponderEliminar
  8. Não fiquei propriamente envergonhada, mas confesso que me confrontei com os meus juízos precipitados e os meus preconceitos, até!
    Enfim, estamos sempre a ser postos à prova pelo mundo, como escreveu o AC.

    ResponderEliminar
  9. Bom, mas isso pode acontecer a qualquer um! Quantas vezes nos deparamos com comportamentos estranhos e inusitados, que possivelmente até têm uma explicação? Nem sempre se descobre o porquê, como foi o teu caso, e o nosso sentido crítico não dá "meia volta"... Não me parece grave, quando tudo se passa no reino dos pensamentos! :)

    Beijocas e bom fim de semana para ti!

    ResponderEliminar