segunda-feira, 20 de agosto de 2012

A Caixa de Dormir

Dizia-me uma amiga, a propósito do post sobre o programa "Portugueses pelo Mundo", que gostava tanto de viajar que lhe apetecia saltar de aeroporto em aeroporto. Ora bem, eu não gosto muito de aeroportos, como já expliquei aqui. Acho que a principal razão é o imenso tédio que se apodera de mim durante as escalas de voo, aqueles tempos intermináveis em que esperamos por um qualquer voo de ligação para qualquer lado e, seja qual for o local do mundo em que calhemos estar, olhamos à volta e vemos as mesmas lojas, das mesmas cadeias internacionais, que já vimos noutro lado qualquer que não recordamos! Tempos de espera, em que só nos apetecia estar em casa, a ler, a ver televisão, a consultar a internet, enfim, a fazer as coisas que fazemos todos os dias.
Pois bem, para tornar mais confortável esse tempo de espera, apareceram as "sleepbox", que eu traduzi livremente por "caixas de dormir". Não são mais do que isso, caixas com o tamanho suficiente para uma cama, uma pequena secretária, um espaço de arrumação, uma casa de banho, um chuveiro. Alugam-se por uma ou várias horas, e garantem o descanso, a privacidade, o isolamento. São limpas, quase diria asséticas! Fazem-me lembrar os casulos em que as abelhas depositam o mel ou os japoneses dormem. Têm vantagens, sim senhor! E, no entanto...

Porque é que olho para isto e só me lembro, com saudade, do tempo em que pousava a cabeça na mochila e dormia em qualquer estação de caminhos de ferro?

12 comentários:

  1. Nem nunca tinha ouvido falar! Mas também há mais de uma década que não ando de avião... ;)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens medo, ou falta de oportunidade? Há muita gente com fobias em relação aos aviões.
      Bjs

      Eliminar
  2. Parece uma invenção japonesa! :-))
    Não viajo tanto de avião que sinta esse tédio mas não gosto de tanto tempo de espera...

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na verdade, eu acho que é uma invenção japonesa!...
      Bjs

      Eliminar
  3. Miguel Ângelo Fernandes20 de agosto de 2012 às 22:02

    Dormitar encostado à mochila incendeia a memória das aventuras e descobertas da juventude... mas para falar verdade, por esta altura, em que já passaram meia dúzia de anos desde então, a ideia de um sítio privado desses no aeroporto é bastante motivante, incendeia mesmo outras memórias...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens uma memória incendiária!
      (Gostei dessa da meia dúzia de anos...)

      Eliminar
  4. Essas caixinhas não foram feitas a pensar em mim.
    :)

    ResponderEliminar
  5. Partilho da mesma opinião, Teresa. Viajar de avião tornou-se uma seca, com as longas permanências nos aeroportos.
    Talvez por isso seja um grande defensor do TGV. Pelo menos para chegar à Europa era uma beleza. Além disso, sou fã de comboios.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também adoro comboios. Acho que não há nenhum meio de transporte mais romântico e agradável. Pelo menos para quem aprecia a viagem, e não apenas chegar a um destino.

      Eliminar
  6. São umas caixinhas muito minimalistas - parecem coisa de hospital::)) A ideia é boa mas falta cor, tecidos sedosos e almofadas:) Também me aborrecem as esperas nos aeroportos. Decorem bem o espaço e eu alugo.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hum, não sei se será bem esse o objetivo, mas lá que ficava mais agradável e atrativo, não há dúvidas!
      Bjs

      Eliminar