segunda-feira, 1 de julho de 2013

Seguindo os rebanhos


Desde tempos imemoriais, os pastores do interior de Portugal subiam à Serra da Estrela no início do verão, para procurar as melhores pastagens. Quando os tempos frios se avizinhavam, voltavam a descer a serra, fazendo os mesmos precursos em sentido contrário.
A este movimento pendular chama-se transumância. Gosto desta palavra. Etimologicamente, advém da junção do radical trans, que significa para além, com a palavra humus, terra. Isto é, designa o movimento que leva para lá da terra, cruzando culturas e experiências à cadência da passagem dos rebanhos.
Neste fim de semana, foi recriada a Grande Rota da Transumância, entre Seia e as pastagens na zona do Sabugueiro. E nós fomos convidados a seguir os rebanhos pela serra acima, por caminhos seculares. O momento é de festa. Cada rebanho é conduzido pelos seus pastores, vestidos a rigor. Os bodes e os carneiros são enfeitados com bolas de lã coloridas e com grandes chocalhos, que se fazem ouvir a distância. Nas aldeias, as pessoas vêm às portas e às varandas, acenar. Nas paragens, ouvem-se as concertinas, e come-se pão de centeio acompanhado de presunto e queijo da serra.
Foi um passeio pedestre, mas diferente, que aliou o gosto pela caminhada a uma tradição milenar, que teima em não desaparecer. Como um rio subterrâneo, que corre sempre, embora às vezes com pouca visibilidade, indiferente ao ritmo da modernidade, aos avanços tecnológicos, às auto-estradas e às pontes aéreas, à troika, ao FMI ou às guerrilhas partidárias.
São manifestações de um Portugal rural, genuíno, que sobrevive. Apesar de tudo.


(Fotografias de Teresa Diniz)

13 comentários:

  1. Puxa, que lindo resgate às tradições! Deve ter sido muito legal! beijos,ótimo JULHO! chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, foi muito bom!
      Obrigada Chica, e um ótimo mês de julho para si, também!
      Bjs

      Eliminar
  2. Que bonito, é o patrimônio imaterial que sobrevive às intempéries. Foi muito bom, vir aqui hoje.
    Um abraço, Teresa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Lucia, o património imaterial, as tradições, a cultura, lá vão sobrevivendo a tantas intempéries.
      Bjs

      Eliminar
  3. La Transumancia en España se hacia desde el Sur (Andalucia, Extremadura, Castilla) hacia el Norte de España (León, Asturias, Cantabria)
    Me encanta todo lo relacionado con este Tema para evadirme de tanta absurda "Modernidad" de Tinte esclavizante.
    Abraços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro, o movimento de transumância espanhol é ainda mais imponente, devido à sua maior escala. Os rebanhos ainda passam por Madrid?

      Eliminar
  4. Pois teve tudo para ser um belo passeio: a serra, a cultura de um povo, música e os petiscos próprios da região para aconchegar o estômago. E tudo isso certamente com muito menos calor do que o que se sentiu por cá, que esteve um braseiro autêntico... :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, podes crer! Lá para a serra estava calor, mas não é comparável! Foi um belo passeio, sim!
      Bjs

      Eliminar
  5. Devia ter sido bem interessante!
    Eu não seria capaz de os acompanhar a pé!

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Ao olhar para a segunda foto não restam dúvidas. Foi um passeio bonito e muito badalado.
    :)

    ResponderEliminar
  7. Curiosamente, sendo eu de uma região bem perto e também pertencente ao maciço da Estrela, nunca presenciei um festival destes e tenho pena.
    Sei que também em Alpedrinha, junto à Gardunha há um festival semelhante, todos os anos.

    ResponderEliminar