segunda-feira, 29 de julho de 2013

Lisboa em tempo de guerra

(Sentinela da Legião Portuguesa em serviço no Terreiro do Paço)

No início dos anos 40, a Europa vivia o caos da Segunda Guerra Mundial. A Alemanha avançava em todas as frentes e temia-se um ataque também a Portugal. Sabe-se que esteve planeado, seria a Operação Félix. Salazar organiza então a defesa da cidade de Lisboa, através da Legião Portuguesa. Há monumentos nacionais protegidos por tapumes, os feixes de luz varrem os céus, os tesouros da arte portuguesa são encaixotados e resguardados.
Um país neutral no meio de uma Europa em guerra, Portugal é também local de encontro de espiões de todos os lados do conflito, e plataforma giratória de refugiados que aqui procuram um porto seguro mas, principalmente, um local de passagem para outros destinos. 
Os que aqui chegam encontram um país de contrastes, em muitos aspetos parado no tempo. À volta do eixo definido pela Avenida da Liberdade e Avenidas Novas, surgiam os bairros pobres, onde a sobrevivência era uma luta diária. Uma cidade onde coexistiam lavandeiras e vendedores de galinhas montados em burros, com o esplendor da recém inaugurada Exposição do Mundo Português, que enaltecia o Portugal Imperial. Mas os refugiados também contribuiram, com os seus costumes e as suas indumentárias modernas, para a evolução e a mudança de mentalidades do Portugal conservador e fechado sobre si próprio.
Apesar de todas as limitações, Lisboa era, naqueles tempos, a última fronteira da paz, um local cheio de luz numa Europa de trevas.
São as imagens desses tempos, de uma cidade na fronteira entre a paz e a guerra, que nos são trazidas pela exposição Lisboa em tempo de guerra, agora patente no Torreão Poente do Terreiro do Paço. Um exposição imperdível! O seu encerramento está previsto apenas em dezembro, mas eu aconselho uma visita durante o verão: as janelas abertas proporcionam vistas magníficas sobre o Terreiro do Paço, de cara acabadinha de lavar. A estátua de D. José e o Arco da rua Augusta terminaram as limpezas, já estão destapados e estão lindos! Garanto uma tarde bem passada!

6 comentários:

  1. Ontem estive a falar dessa exposição com uma amiga enquanto esperávamos pelo Lago dos Cisnes no Festival ao Largo!
    Quero ver se não perco!

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Muitoobrigado pela informação, Teresa !
    Não sabia dessa exposição.
    Pode ser que calhe ir a Lisboa com algum tempo...

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. Também não quero perder, obrigada pela sugestão! :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  4. Obrigado pela dica; desconhecia de todo.

    ResponderEliminar
  5. Foi durante este episódio que desapareceu muito do espólio dos palácios Portugueses. Tenho pena que os cidadãos não saibam e não dêem valor à história do seu próprio país, tantos erros poderiam ser evitados.


    Beijinhos, Teresa

    ResponderEliminar
  6. Ainda bem que fui útil na minha sugestão!

    Alexandra, infelizmente essa foi uma situação recorrente. Na época das invasões francesas, então, foi uma desgraça. Mas tens muita razão no que dizes sobre a desvalorização da nossa história. Se os cidadãos a conhecessem melhor, talvez não cometessem sempre os mesmos erros!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar