sábado, 1 de dezembro de 2012

A Maria e o Pai Natal

Entrou dezembro e começa a sentir-se a aproximação do Natal. Fazem-se contas para que, pelo menos as crianças, continuem a ter algumas prendas debaixo da árvore de Natal. As iluminações lá vão aparecendo, bolas, luzes, presépios, Pais Natais, que trazem alegria e esperança a este inverno.
A filha de uma amiga minha, a Maria (vamos chamar-lhe assim), era uma fã incondicional do Pai Natal. Não ligava muito aos Pais Natais de pacotilha que pululavam pelos centros comerciais. Ela tinha o dela, o único, o verdadeiro, que ía pessoalmente lá a casa levar as prendas, na véspera de Natal.  Às vezes, parecia-lhe reconhecer os olhos bondosos do tio, por trás de umas longas barbas brancas, mas não se deixava influenciar. Chegou a bater-se na escola primária, em defesa do seu ídolo.
- Tu és parva, são os pais que compram as prendas!
- Não, eu sei que é o Pai Natal que as traz!
- Mas como é que ele entra? Tu nem tens lareira!
- O meu Pai Natal é moderno, sobe as escadas e toca a campainha!
Não havia como demovê-la. A Maria tinha respostas prontas e triunfantes a todos os argumentos dos colegas da escola.
A dada altura, os pais começaram a prepará-la para o desaparecimento do "seu" Pai Natal. 
- Olha, Maria, o Pai Natal não consegue ir a todas as casas. No próximo ano, se calhar, vai a outra casa em vez de vir à tua.
A Maria não disse nada, mas manteve-se atenta. Quando chegou a véspera de Natal, as prendas lá apareceram debaixo da árvore. Quem as tinha trazido? A mãe respondeu-lhe:
- Desta vez, o Pai Natal mandou um ajudante.
A Maria correu para a janela, a varrer o céu com os olhos.
- Vai ali! Vai ali!
- Estás a ver o Pai Natal?
- Não, já não vi o Pai Natal, mas ainda vi o trenó das renas!
A nossa imaginação não tem limites. E vemos o que queremos ver!


15 comentários:

  1. Quem não tem imaginação, fica a perder...
    :)

    ResponderEliminar
  2. Olá amiga,

    A imaginação tudo pode.
    Que linda estória a antecipar o dinheiro!!!

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E tu és uma especialista em imaginação!
      Beijinhos! Saudades!

      Eliminar
  3. :) Lembro-me perfeitamente do momento em que uma tia me disse que não havia Pai Natal/Menino Jesus. Foi no Alentejo e íamos de carro. Foi uma tristeza enorme para mim... a minha mãe ainda tentou compor mas já não deu. Tinha-se quebrado a magia. O meu filho de 5 anos, por sua vez, estava a cortar o cabelo no cabeleireiro e disse que o Pai Natal não existe:) Não sou nada boa a fantasiar mas gostava que ele acreditasse... já pus algumas ideias em prática, vamos ver...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há sempre um momento em que as fantasias infantis se quebram, claro, mas manter essa magia por alguns anos não lhes faz nenhum. Acho eu :)

      Eliminar
    2. Oh, Teresa, sou eu, a Fátima:) Entrei como EPADRV, a minha escola, que horror:) Não dever ter percebido nada, desculpe::)) Bjs

      Eliminar
  4. Eheheh, fez-me lembrar a minha sobrinha mais velha, que um dia chegou a casa muito desiludida, que na aula dela só duas pessoas acreditavam mo Pai Natal: ela e... a professora! :)))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  5. No meu tempo era o Menino Jesus e acreditei que era ele até muito tarde! :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem Rosa, não há nada mais triste do que crianças sem magia no olhar!
      Bjs

      Eliminar
  6. Respostas
    1. De preferência, manter um bocadinho de magia para sempre...

      Eliminar
  7. Uma ideia original de transição, menos "traumática" do que dizer "o pai natal não existe" :P Muito bom mesmo eheh

    ResponderEliminar