sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Os culpados de qualquer coisa

Andar de autocarro é sempre uma experiência pedagógica e edificante. Aqui há dias, meti-me num autocarro (por acaso, nem era o que eu queria, veja-se o que é o destino!) que foi dar uma grande volta até chegar à paragem onde eu precisava de sair. Percebi logo o engano, mas resignei-me e acomodei-me junto a uma janela.
Umas paragens à frente, entraram duas miudinhas da escolas. Cerca de dez anos, mochilas à costas. Caminhavam para a parte de trás quando, a um solavanco do autocarro, uma delas caiu sobre a perna de um homem idoso que vinha sentado, acompanhado de uma senhora também de bastante idade. O homem começou a barafustar, zurzindo a rapariguinha com todas as ofensas, desde desastrada a desrespeitadora dos mais velhos. A miúda só disse: "Desculpe, desequilibrei-me!" e não respondeu mais. Mas umas raparigas mais velhas tomaram a sua defesa, acusando o velhote de ser insensível. Uma acusou-o mesmo de ser racista e de atacar a miúda por ter aspeto de cigana. O homem ofendeu-se, a senhora que o acompanhava começou a contar a quem a queria ouvir as mazelas do marido e da sua operação à perna. As raparigas contestavam, que ninguém podia saber que aquela perna estava doente ou magoada. O homem continuava a protestar com a falta de educação das miúdas. Nesta altura, a discussão já se tinha generalizado no autocarro, entre os apoiantes do homem e os defensores da miúda. As vozes e as ofensas subiam de tom.
- Se fosse minha filha, você levava uma lambada nas trombas!
- Olha, você a falar de educação e veja lá como fala!
- Ninguém me diz como é que devo falar!
Temi que se envolvessem todos à pancada. Felizmente, alguém mudou a agulha à conversa:
- A culpa é da escola, os professores não lhes dão educação!
Ah pronto! Todos se puseram de acordo. A culpa, seja do que for, não é dos próprios, nem dos pais, tios, avós, nem dos vizinhos do bairro, nem da sociedade em geral. A culpa é dos professores, que não dão educação às crianças!
Estamos todos mais descansados! É tão reconfortante ter um bode expiatório!


Lisboa - O Rossio visto do Elevador de Santa Justa (Fotografia de Teresa Diniz) 

13 comentários:

  1. Francamente. Não há nada pior que peixeirada de gentalha sem formação. Enfim. :\

    ResponderEliminar
  2. Claro, Teresa, então não??::)) Já cá faltava, nós é que não sabemos educar :) Significativo, infelizmente. Bj

    ResponderEliminar
  3. Teresa, sem comentários.
    Só a ignorância leva a tais discussões com tal final.
    Não tenho pachorra!!!
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Confessa, se a senhora que ia ao teu lado não te tivesse segurado...
    :)

    Bom Fim-de-Semana!

    ResponderEliminar
  5. É tão fácil ser-se injusto!
    Bom fim de semana
    xx

    ResponderEliminar
  6. A culpa é EXCLUSIVAMENTE dos violentos PÁRA / ARRANQUE que os motoristas praticam genericamente !
    Tinha um episódiopessoal para contar, mas é longo.
    Aliás, esses BRUSCOS PÁRA / ARRANCA / TRAVA, até sentado me fazem mal aos músculos do corpo, sobretudo à volta da coluna.

    Um beijo, Teresa e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  7. Há discussões tão parvas! E essa certamente é uma delas, porque nem a miúda teve culpa do solavanco do autocarro, nem o velhote devia ter insultado a miúda por causa disso e muito menos as outras se deviam meter!

    A culpa é da escola? Certamente que não! Mas há velhotes ranzinzas que acham que os seus cabelos brancos lhes dão o direito de insultar os outros, sem receber feed-back. Mas esses se calhar nunca andaram na escola, portanto, fazer o quê?

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  8. Os professores qualquer dia nem aulas dão, quanto mais educação...

    ResponderEliminar
  9. Um retrato muito fiel do país, onde o umbiguismo dita leis, as pessoas já não se respeitam e fervem em pouca água. Como já escrevi várias vezes, isto vai acabar mal...
    Bom fds

    ResponderEliminar
  10. Não me quis meter na discussão (a sério que não, Rui!), nem tomar partido pela miúda ou pelo velhote. Mas fazem-me impressão duas coisas: a primeira é a facilidade com que as pessoas desatam a discutir e a fazer peixeirada (para utilizar a feliz expressão do LOL); e a outra é o gosto com que nos atiramos a um bode expiatório qualquer, especialmente se ele não estiver por perto! É fácil culpar sempre outra pessoa, ou melhor ainda uma entidade abstrata, de tudo o que corre mal. Nunca olhamos para dentro, nunca evoluimos, mas ficamos de consciência tranquila!

    ResponderEliminar
  11. Miguel Ângelo Fernandes24 de novembro de 2012 às 23:00

    É a nossa matriz judaico-cristã Teresa... Cristo não assumiu a culpa da maltosa toda? Então? Alguém tem que pagar as favas... Os profs estão sempre a jeito... médicos também são um bom saco de areia... um fulano passa uma vida inteira a fumar e de repente aparece um cabr** dum médico a dizer que tenho um cancro e que não vale a pena operar... mas quem é o gajo para me negar cuidados básicos... bem... ministros estão sempre à mão para levar, também...

    ResponderEliminar
  12. Para mim é sempre doloroso ouvir isso, doí cá dentro...ando demasiado cansada com tanta injustiça. Raramente sinto valorizado o papel do professor, mas como eu sei o que faço e disso me orgulho, ergo a cabeça e sigo.
    Bjs

    ResponderEliminar
  13. O que vai ser de nós, com a Educação de rastos como está, os educadores a serem tratados como parasitas e os alunos como lordes...? o que será destes miúdos?

    ResponderEliminar