segunda-feira, 9 de abril de 2012

Wilt



Haverá melhor maneira de fintar a crise do que rindo? Talvez por essa razão apeteceu-me ler um livro leve e bem disposto e, em boa hora, um amigo recomendou-me este “Wilt”, de Tom Sharpe, um homem multifacetado que, entre outras coisas, foi professor de História. Hoje, Sharpe vive alternadamente entre Cambridge e a Catalunha. É autor de vários livros, a maioria num registo cómico.
Quem é então Wilt? Henry Wilt é professor no Instituto de Letras e Tecnologias de Fenland. Há anos que tenta enfiar Literatura na cabeça de aprendizes de estucadores, canalizadores, talhantes, instaladores de gás. Em casa, a coisas também não vão bem com Eva, a sua maciça e dominadora mulher. As fantasias de Wilt em relação a Eva tornam-se cada vez mais assassinas e, após uma experiência dolorosa e humilhante numa festa, Wilt lança-se na preparação da vingança. Eva desaparece e as suspeitas da polícia recaem sobre Wilt, que é preso e interrogado durante dias. É nessa altura que a experiência de Wilt no ensino dos aprendizes se torna preciosa. Anos a fio a responder continuamente a perguntas, geralmente repetitivas e imbecis, a ignorar ofensas e atitudes provocatórias, a iludir insinuações, a orientar conversas vazias de sentido, deram-lhe um treino imbatível para suportar os interrogatórios da polícia. Na verdade, é Wilt quem põe a polícia quase louca com a sua conversa fiada e a sua resistência. Quando, finalmente, a sua inocência é provada, Wilt sai da polícia com a sua auto-estima mais alta do que no final de um dia de aulas.
Há cenas verdadeiramente hilariantes, como a da exumação da boneca insuflável no campus da escola.
Confesso que, além de me rir, senti alguma empatia com Mr. Wilt. Quem já deu aulas a turmas CEF e nunca sentiu ataques de desespero que me atire a primeira pedra!

12 comentários:

  1. Eu também tentei a mesma finta e na sexta-feira santa ( oh sacrilégio!) fui ver uma comédia francesa: Amigos Improváveis.
    Ri-me bastante, mas o efeito já passou, ao ler as notícias do dia.
    Se puder passe lá pelo meu cantinho, pois é a minha homenageada da semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também não quero (não posso!) perder esse filme.
      Obrigada Carlos!
      Bjs

      Eliminar
  2. Li este livro há muitos anos, numas férias com o meu marido (então namorado), rimos a bom rir com as cenas caricatas que o professor engendra, nomeadamente no treino com a boneca insuflável... Sem dúvida um daqueles livros para pôr toda a gente bem disposta! :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu só o conheci agora, mas se é antigo continua muito actual! E rir faz mesmo bem, especialmente agora!
      Bjs

      Eliminar
  3. E tinha que se chamar Eva a mulher dominadora?? :)Precisamos tanto de nos rirmos nestes dias, que qualquer recomendação é bem-vinda! beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eva, como a primeira mulher, simbolizando todas as mulheres ;)
      Bjs

      Eliminar
  4. Vou anotar a sugestão. Nunca li nada deste autor e este seu resumo abriu-me o apetite. Venham coisas para a gente rir porque para nos deprimir basta o país que temos.

    ResponderEliminar
  5. Minha amiga, bem preciso de algo que me faça rir, vou tomar nota e tentar esquecer tantas coisas que me deprimem.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Tens consciência que sentiste simpatia por um tipo que "limpou" a esposa, certo? ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ele não "limpou" a esposa, só planeou a limpeza! :)

      Eliminar