domingo, 20 de março de 2016

Corpo das mulheres, campo de batalha

Andamos por vezes tão distraídos com as nossas guerrinhas intestinas, ou com as que nos batem à porta, que nos esquecemos de olhar para o lado. Aqui perto, no Sudão do Sul, a guerra mais bárbara dilacera um país que nasceu apenas em 2011. A ONU relata massacres, destruição e violações em massa. A Unicef regista milhares de crianças utilizadas como soldados. Contam-se mais de dois milhões de refugiados, fugidos para regiões vizinhas em condições precárias, como são sempre as condições de quem foge da sua casa, sem mais nada do que tem no corpo.
Razões? Já ninguém as discute, entre acusações de tentativa de golpe de estado e confrontos entre etnias rivais. O costume, as razões tristemente habituais...

Mulheres no Sudão do Sul
Na última semana, atingiu-se o auge do absurdo: o governo terá autorizado as violações das mulheres nas zonas de guerra como forma de pagamento dos soldados, como parte do salário. Infelizmente, estamos todos habituados a ouvir notícias de violações em situações de guerra. Dá ideia que o corpo das mulheres é mais um campo de batalha de que é necessária a apropriação, nem que seja pela violência. Como se o corpo das mulheres fosse um campo de milho, ou uma aldeia, ou um moinho... O facto de ser o próprio governo a autorizar esta prática repugnante, acrescenta-lhe legitimação. Como é possível que assistamos de braços cruzados a mais esta banalização da violência sobre as mulheres? 
O Sudão do Sul é o mais jovem país do mundo. Parece-me que não tem muito futuro.

8 comentários:

  1. Triste, muito triste assistir isso acontecendo! Inadmissível em qualquer parte do mundo! bjs, chica

    ResponderEliminar
  2. Não sabia, como é possível que um Governo autorize algo assim!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece inacreditável, mas este governo não se pauta pelos mesmos valores que para nós são básicos!
      Bjs

      Eliminar
  3. Fiquei muito triste. como é possível que se autorize uma coisa dessas. O poder sempre o maldito poder. Um abraço com carinho

    ResponderEliminar
  4. Um país e um governo desses não podem ter muito futuro. Às vezes parece que os homens guerreiam sem saber bem porquê. Deve-lhes estar no sangue ruim...

    Beijocas

    ResponderEliminar
  5. Fiquei também chocada com essa matéria.
    Onde vamos indo com tanta loucura e tanta violência .O ser humano perdeu toda a capacidade de pensar.Melhor conviver com os animais ,com certeza. rs
    Abraços Teresa _ boa semana

    ResponderEliminar
  6. Olá, Teresa
    Também vi a denúncia desta barbárie, deste descalabro.
    Às vezes queria eu ser Deus por um dia apenas. Mas, no dia seguinte, seria acusada de não respeitar os direitos humanos, com certeza.

    Penso que estes espaços, para além de servirem aos nossos interesses pessoais, cada um com o seu, também devem servir para lembrar ao mundo os pecados por actos e por omissões, por aí espalhados.É uma forma de protesto e de acção.

    deixo-lhe um bj amg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Carmem
      Eu acho que não gostava de ser Deus, nem por um dia! Com tanta loucura, ia começar por onde? E concordo, ia sempre aparecer alguém a criticar! :)
      Bjs

      Eliminar