segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Postal de Lisboa XXIII - Nas pegadas da Severa

(Fado frente à Igreja de Nossa Senhora da Saúde)

É uma associação nascida e desenvolvida dentro do bairro. Chama-se "Renovar a Mouraria" e tem feito um trabalho muito positivo e meritório em várias áreas, desde o enquadramento dos jovens até à revalorização da multiculturalidade, que é um traço distintivo do bairro. 
Com o apoio do Museu do Fado, decidiram organizar passeios guiados pela Mouraria. Não podia perder e lá fui, num fim de tarde de sábado. E que fim de tarde bem passado! Guiados pelos próprios habitantes do bairro, percorremos as ruelas estreitas, vimos a casa onde viveu a Severa, mas também a da Maria Albertina ou do Fernando Maurício. O fado parece estar entrelaçado nas próprias pedras das ruas que pisamos, com nomes evocados nos fados mais conhecidos, como a Rua do Capelão. Por isso, o fado acompanha-nos. Ouvimos fado frente à Igreja da Saúde, depois mais à frente, no Largo da Severa. Os habitantes acenam das janelas, marcam lugar nos bancos para ouvirem os fados, espreitam de tascas e barbearias que parecem saídas de um filme dos anos 40. Contam pequenas histórias que só eles conhecem, mostram o consultório de medicina chinesa, apresentam-nos a gata Severa (o gato chama-se Marialva, mas não quis aparecer!), guiam-nos o olhar para a fachada manuelina com duas colunas postas, por engano, de capitel para baixo e base para cima! Mas mostram-nos também, com orgulho, as marcas da modernidade que começa a passar por ali, visível, por exemplo, nos pequenos restaurantes que entraram na moda.


(A observar quem passa...)

É uma iniciativa da sociedade civil que é digna de apreço e apoio. 
Acabamos a tarde no Largo do Martim Moniz, a explorar as tasquinhas de sabores do mundo. Há música e animação e uma "flashmob" põe mais de cem pessoas a dançar. 
É um verdadeiro programa anti-crise. Em primeiro lugar, porque nada se paga, a não ser o que quisermos consumir. Depois, porque é impossível não sorrir e sair dali bem disposto. E esse é o melhor remédio para conseguirmos ultrapassar a tempestade que se abateu sobre todos nós.
A não perder, até ao fim do mês de setembro.


(A gata Severa)

(Fotografias de Rita Fernandes)

6 comentários:

  1. Um postal muito interessante e a ser bem aproveitado, embora longe de mim considerar o fado a canção nacional.

    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também não considero, mas na Mouraria é, com certeza!
      Bjs

      Eliminar
  2. Não sendo grande apreciadora de fado, considero essas iniciativas populares de dinamização de bairros típicos muito louvável... :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  3. Sou alfacinha logo fiquei com muita curiosidade :) Tenho que apreciar ao vivo esta excelente iniciativa.
    Tem que ser o povo a dar a volta a isto!


    beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Tenho essa visita agendada para dia 29 depois de uma visita também marcada para o Panteão. estive há umas semanas lá, numa manhã de sábado e fiquei surpreendido com este bairro lisboeta.

    ResponderEliminar
  5. Já é o segundo post que faço com este bairro, mas acho realmente extraordinário o trabalho de revalorização que ali está a ser feito. E, ainda para mais, dinamizado pela sociedade civil. Quem lá for até vai apreciar o fado, mesmo que não goste muito!... :)

    ResponderEliminar