quinta-feira, 20 de setembro de 2012

A Greve ao Sexo

Lisistrata é a personagem principal de uma famosa comédia de Aristófanes. Para quem tem a cultura clássica mais esquecida, relembro que Aristófanes foi um autor grego de peças cómicas, que viveu há mais de dois mil e quatrocentos anos. Pois conta ele que Lisistrata, uma mulher ateniense, concebeu um plano para obrigar Atenienses e Lacedemónios a fazerem a paz, num momento em que os exércitos já se encontravam acampados nos campos de batalha. Qual era a arma de Lisistrata? O sexo! As mulheres de Atenas iriam vestir-se de túnicas transparentes e convidativas, provocar os seus maridos mas, no momento final, recusar o sexo até que eles decidissem fazer a paz. 
Lembrei-me de Lisistrata nestes últimos tempos. Na telenovela "Gabriela", Maria Machadão e as suas meninas do Bataclã decidem fazer uma greve de sexo até que os coronéis lhes permitam participar na procissão e oferecer um manto à santa da sua devoção, Santa Maria Madalena. Também no Togo, imagine-se, há um apelo idêntico. Lideradas por Isabelle Ameganvi, as mulheres dos partidos da oposição e de alguns movimentos cívicos, lançaram uma campanha contra o regime que domina o Togo há mais de quarenta anos, apelando a que as suas compatriotas não façam amor com os seus maridos até que haja reformas políticas. 
Se bem me lembro, a iniciativa das meninas do Bataclã teve sucesso. Já quanto à das mulheres do Togo, fico ansiosa por saber o resultado. Não sei quantas delas terão lido Aristófanes. Mas o que eu acho extraordinário é que os anos e os séculos passaram, mas as armas femininas permanecem as mesmas...



25 comentários:

  1. Delicioso:) Ele há coisas que são eternas, Teresa:)

    ResponderEliminar
  2. Desconhecia o episódio do Togo, mas palpita-me que se por cá as mulheres dos políticos portugueses tomassem igual atitude, não deveriam ter grandes resultados pois, segundo me consta, os maridos andam a queixar-se muito de dores de cabeça.
    Já Assunção Cristas, parece não ter problemas desses, pois tanto quanto me disseram está grávida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carlos, não deixava de ser uma proposta interessante para os nossos políticos e políticas, mas se há dores de cabeça, talvez não resulte!

      Eliminar
  3. Magnífico post, Teresa !
    Nem umas, nem outras, terão lido Aristóleles, menos ainda a LISISTRATA. Mas toda a mulher sabe que tem em si um forte argumento !

    Uma luta de quarenta anos no Togo ?
    Duvido que elas assumam por inteiro essa luta...

    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei João, acredito que o Jorge Amado conhecesse muito bem a cultura clássaica. E quanto às mulheres do Togo, há sempre surpresas! :)
      Beijinho.

      Eliminar
  4. Eheheh, nem é não estar lembrada dessa peça de Aristófanes, que suponho nunca tinha ouvido falar. Mas ontem também (re)vi a "Gabriela" e ainda me fartei de rir com a "arma" usada pelas meninas da Maria Machadão... :)

    É, parece que há coisas que nunca mudam! :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Teté
      É o nosso lado neandertal que fala sempre mais alto! :)
      Beijinhos.

      Eliminar
  5. Se a greve se prolongar por período indeterminado, o material bélico não corre o risco de enferrujar?
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois Rui, não sei, é sempre um risco, não é? :)

      Eliminar
  6. Se a cantiga é uma arma, esta coisa de não ir na "cantiga" também o será!
    Ainda não me entusiasmei com a nova versão da Gabriela porque tenho receio de me sentir decepcionada!:-))

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há anos que eu não via uma telenovela, mas esta é irresistível!
      Bjs

      Eliminar
  7. Miguel Ângelo Fernandes20 de setembro de 2012 às 22:42

    ... o que vêm dar outra dimensão à expressão "fura-greves"...

    ResponderEliminar
  8. Boa noite, Teresa

    Acompanhei a Gabriel (Sónia Braga); não o tenho feito com a actual.
    Mas posso dizer-te -- Tomando como amostra os meus colegas masculinos -- a Gabriela-Sónia continua com vantagem. A curiosidade reside no facto de as minhas colegas também fazerem comparações em círculo de género (Fechado. Lol!)

    Concluo, sem receio, que Eros e Tanatos não são fáceis de abordar e tratar.

    Agradeço a tua passagem pelo Guizo e espero merecer assiduidade.

    Saudações

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem não acompanhou a Gabriela? Mas esta nova versão também está muito interessante!
      Fico contente que tenhas voltado à blogosfera. O meu tempo é reduzido, mas vou sempre passando pelos blogues amigos.
      Bjs

      Eliminar
  9. Minha amiga quando faltam outros argumentos... :)
    Estou a adorar "rever" esta nova Gabriela, eu que até não vejo novelas :)
    Desconheço a comédia de Aristófanes, mas fiquei curiosa;)

    beijinhos e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Estás como eu, não via uma telenovela há anos, mas colei nesta nova Gabriela!
      Bjs

      Eliminar
  10. Mas os meninos não! E dependendo da idade deles; eles vão adorar essa greve :) Bom fim de semana!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luma, greve é greve, sempre prejudica alguém, senão não funciona... :)
      Obrigada e boa semana!

      Eliminar
  11. No caso dos atenienses até admira, pois sabe-se que muitos deles preferiam outras coisas...

    ResponderEliminar
  12. Teresa
    Voltei e gostei (claro!) do teu poste.
    Aprendi e sorri com o que escreveste.
    Bjs

    ResponderEliminar
  13. Olá Teresa

    A mulher tem mesmo poder desde tempos imemoriais e usando uma das armas mais caras aos homens: a ausência de sexo!

    Beijoca

    ResponderEliminar