quarta-feira, 27 de abril de 2016

O Mistério das Peúgas Desaparecidas

É um mistério que me acompanha desde há muitos anos. De vez em quando, depois de uma lavagem de roupa, lá aparece uma peúga desemparelhada! O que aconteceu? Para onde fugiu a outra peúga? Sem resposta para o enigma, vai aumentando o montinho de meias solitárias, na prateleira da despensa... Eternamente à espera do seu par...
Sempre desconfiei que este enigma não intrigava apenas a mim. Lembro-me de um filme que vi já há muitos anos, em que uma criança explicava, de forma simples, o que achava que acontecia às meias perdidas: haveria um Céu das Meias para onde iam todas as meias desaparecidas e, quando morrermos, voltaremos a encontrar todas elas, muito bem arrumadas num grande cesto. Pareceu-me uma explicação encantadora, mas pouco convincente.
Aparentemente, o mistério das meias desaparecidas continuou a fascinar várias pessoas. 




O matemático especialista em estatística Geoff Ellis e o psicólogo Simon Moore desenvolveram até uma fórmula que, asseguram, prevê o risco de perdemos meias: [L (pxf) + C (txs)] – (P x A).Sendo que L é o ‘tamanho da máquina de roupa’, que se calcula multiplicando o número de pessoas da casa (p) pela frequência de lavagens que se realizam por semana (f); C é a ‘complexidade da lavagem’, que se calcula multiplicando o número de diferentes lavagens (branco e coloridas) que se fazem numa semana (t) pelo número de meias que se lavam por semana (s); o P é a ‘positividade’ com que fazemos a máquina de roupa - que se mede numa escala de 1 (‘forte rejeição’) a 5 (‘grande prazer’) e o A é a ‘atenção prestada’, que se mede como o número total de precauções que tomamos em cada lavagem para evitar que as meias se percam, como desenrolá-las ou aparelhá-las antes.Quanto maior for o resultado deste cálculo, maior será o número de meias que perdemos.
Respeito este estudo, claro, embora esteja convencida de que foi feito quando estes dois cientistas não tinham absolutamente nada de mais relevante para estudar! Mas, previsões à parte (e quem quiser que faça as contas às meias que vai perder até ao fim da vida), provavelmente as meias perdidas jazem atrás de algum armário, ou no quintal, por baixo do estendal da roupa, ou algures, levadas pelo vento. Ou talvez eu as vá reencontrar todas no paraíso...

7 comentários:

  1. rsssssssss... Adorei! Aqui em casa também as meias se perdem e quem disse que a encontramos? Muitas vezes as achamos na cama da CUCA, a cachorra velhinha e danada que gosta de artes fazer! Mas, concordo contigo quanto ao estudo! bjs, chica

    ResponderEliminar
  2. E havendo um cãozinho por casa, especialmente se for jovem, a probabilidade de haver peúgas desaparecidas ou desfeitas pode tornar-se maior, com aplicação extensível a chinelos de pano ou pantufas, etc...

    ResponderEliminar
  3. Chica, José Batista
    Esqueci-me do fator canino, mas é claramente mais um fator a incluir na tal equação...

    ResponderEliminar
  4. Cá pra mim há máquinas que papam meias e ainda ninguém descobriu quais. Também tenho um cestinho onde reúno as desirmanadas... :)

    Beijocas

    ResponderEliminar
  5. Querida Teresa
    Vou agora resolver este mistério que também me apoquentou durante anos. As meias simplesmente voam do estendal.Gostava de ter uma explicação mais glamorosa mas parece me que é só isto.
    Bjs
    Magda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E quando já chegam sozinhas ao estendal? :)
      Um grande beijinho.

      Eliminar