sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Pobres mulheres indianas

Sucedeu esta semana na India, na região de Bengala. Uma jovem de 20 anos namorava com um rapaz de uma comunidade vizinha, o que não é bem visto nesta região do globo. Detidos pelo tribunal popular da aldeia, foram multados em 300 euros. O rapaz pagou, mas a família da rapariga alegou que era pobre e não podia pagar. O tribunal da aldeia condenou-a então a uma violação coletiva. Na passada 2.ª feira, uma jovem indiana de 20 anos foi violada por treze homens da sua aldeia, como castigo por namorar com um jovem de outra comunidade. Violada por um tribunal que não é reconhecido legalmente, mas que é respeitado pelos aldeãos. Violada por homens da sua aldeia, que ela conhecia desde sempre, a quem tratava por tio ou irmão mais velho.
A violação, qualquer que seja o contexto ou a vítima, é um dos crimes mais repugnantes que existe. Há alguém que é mais forte, ou que está numa situação de poder, e a violação é a violentação física e emocional daquele que é mais fraco. É o desprezo pelo que todos temos de mais íntimo e resguardado.
Na India, a violação individual ou coletiva ainda é um castigo aplicado por esse tipo de justiça tradicional. Mas a tradição não é para manter a qualquer preço, nem é um critério de bondade em si própria.
Na India, já não se queimam mulheres nas piras onde ardem os cadáveres dos seus maridos. Mas ainda se violam mulheres por namorarem fora do que está estabelecido. 
A India pode afirmar-se como a maior democracia do mundo. Ou merecer aplausos pelo seu crescimento económico. Mas ainda precisa de percorrer um longo caminho até ao respeito pelos direitos básicos de cada pessoa, homem ou mulher. Um caminho muito longo!


9 comentários:

  1. Também ouvi essa notícia.
    É incrível como nos nossos tempos ainda há em certas regiões do mundo costumes tão aviltantes para a mulher.
    Quando acabará esta situação?

    ResponderEliminar
  2. Miguel Ângelo Fernandes25 de janeiro de 2014 às 11:39

    O caminho é muito longo, mas há esperança... precisamente pelas mãos que nos trazem e partilham a indignação e nos despertam para atrocidades como esta...

    ResponderEliminar
  3. Como é possível haver tanto desrespeito por um igual? A organização social indiana é, na minha opinião, absolutamente repugnante. Incomoda-me que se elogie um país assim, à conta do seu desenvolvimento económico, e se esqueça as condições de vida miseráveis em que se encontra a grande maioria da população. Uma sociedade que cresce sem evoluir jamais deveria ser exemplo.

    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A organização social indiana baseia-se na desigualdade, entre as castas, entre os sexos... Acredito que o governo indiano tem feito esforços para mudar e castigar este tipo de atitudes, até porque está sob atenção internacional, mas a mentalidade demora muito tempo a mudar!
      Bjs

      Eliminar
  4. Uma infâmia .


    Parece que a Humanidade , em todo o planeta , está nos primórdios da civilização. Seja qual seja o motivo

    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  5. Como é possível?!? Esperemos que as coisas se vão endireitando o mais rapidamente possível porque entretanto as injustiças continuam a acontecer.
    xx

    ResponderEliminar
  6. Esta notícia fez-me sentir tão mal... ...

    ResponderEliminar
  7. Faz-nos sentir mal, porque parece que estas coisas já não podem acontecer no nosso mundo. Só nos primórdios da civilização, como dizia a São! Mas, na minha opinião, nós estamos mais próximos desse ponto do que pensamos. Ainda vai demorar muito tempo até as coisas serem diferentes, acho eu!

    ResponderEliminar
  8. Também tinha lido esta notícia chocante e repugnou-me em absoluto. Concordo plenamente - ainda tem muito de andar, esta nação. Que grande confusão ainda me faz este país. E não costumo dizer muitas vezes algo nestes termos. Bom domingo, Teresa. Um beijinho

    ResponderEliminar