segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Sonhos e objectivos

Um dia, no metro de Nova York, vi um cartaz que dizia: "Sonhos realizáveis são objectivos." Parei a olhar para o cartaz, a interiorizar aquelas palavras que, desde esse dia, se tornaram um lema para mim.
Todos temos sonhos. Mais comezinhos ou mais grandiosos. Uns mais viáveis do que outros. Alguns ao alcance das nossas mãos, outros que necessitam de muito caminho para lá chegar. Mas quantas vezes colocamos os nossos sonhos na prateleira, sem nos darmos ao trabalho de lutar por eles! Guardamo-los no coração, gostamos de pensar neles de vez em quando. Aquecem-nos nas noites de insónia. São como estrelas no nosso espírito, cujo brilho nos deslumbra. Mas, por vezes, o rótulo "sonho" dá-lhe uma carga de inviabilidade, de destino inacessível. E acomodamo-nos. E ficamos à espera que a vida se encarregue de realizar os nossos sonhos. Eventualmente.
Sonhos realizáveis podem, devem, transformar-se em objectivos. Temos a obrigação, perante nós próprios, de lutar por eles, de os tornar presentes. Tirá-los da prateleira, olhá-los atentamente e delinear a estratégia para os conseguir realizar.
Cumprir os nossos sonhos é, de alguma maneira, cumprirmo-nos a nós próprios. Talharmos o nosso próprio caminho para a felicidade.
E, como dizia Paulo Coelho,"é justamente a possibilidade de realizar um sonho que torna a vida interessante".


Quais são os nossos sonhos realizáveis?

16 comentários:

  1. Perfeita tua mensagem por aqui...

    Temos que sonhar e fazer acontecer, tentar, não esperar que caimam do céu, apenas esperando.Ir atrás, mexer-se e AGIR!!!

    beijos,linda semana,chica

    ResponderEliminar
  2. Se realizar SONHOS é tarefa para quem deseja VIVER, desfazê-los (os nossos ou de outros) pode representar o ABISMO.

    Um beijo, TERESA.

    Bom Natal (antes que me falte uma nova oportunidade).

    ResponderEliminar
  3. Querida amiga, tenha um linda semana. Beijocas

    ResponderEliminar
  4. Teresa:
    Uma profunda e difícil reflexão esta que nos traz hoje!
    Eu sou por natureza uma sonhadora, mas acho que por comodismo ou necessidade, guardei-os na prateleira, é muito mais fácil assim.
    Mas lutar pelos sonhos é o que incuto também aos meus filhos, porque eu, já me cansei!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Voltaste em força, comadre!
    Gostei muito deste teu poste e, se não te importas, vou levar comigo algumas frases. revejo-me em muitas das tuas afirmações e posso dizer que, felizmente, tenho realizado alguns dos meus sonhos que tinha colocado na prateleira. De vez em quando, lá sai um e... impõe-se, devagarinho, para não fazer muita onda.
    Por isso, vou continuando a sonhar,mesmo que vá guardando os sonhos na minha caixinha da prateleira de cima.
    Um beijinho
    Romicas

    ResponderEliminar
  6. Olá João
    E, às vezes, há uma linha tão ténue entre todas essas coisas!
    Obrigada e bom Natal!

    ResponderEliminar

  7. É sempre hora para retirar os sonhos da prateleira!
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Olá, Teresa

    Responendo à tua pergunta "quais são os nossos sonhos realizáveis?", atrever-me-ia a dizer que são todos aqueles que não comprometem os sonhos e as liberdades dos outros.
    Partindo desta premissa, tudo é possível desde que haja fé ou determinação (conforme seja ateu ou não).
    Bj

    ResponderEliminar
  9. Bom, se os sonhos não fossem realizáveis, seriam utopias ou milagres. Mas alguns chegam quase lá ou, pelo menos, ao limbo da realização improvável... E depois o tempo passa, e enquanto se andou a sonhar com o impossível, não se vê o que está ao nosso alcance. Não aconteceu, de uma maneira ou de outra, a quase todos nós? :)

    Portanto, é mesmo de partir para a luta, com o fito de atingir certos objectivos, de modo a concretizar pelo menos parte desses nossos sonhos!

    Beijocas, Teresa!

    ResponderEliminar
  10. Oi Teresa, tudo bem?

    Se você é como eu que sente falta da Tertúlia Virtual, por favor, deixa um comentário neste link lá no Varal de Idéias.

    http://cimitan.blogspot.com/2010/12/comentarios-que-valem-um-post_14.html

    Estamos tentando reviver aqueles bons momentos da Tertúlia.

    Um abraco

    ResponderEliminar
  11. Bonita esta tua crónica...quando todos ansiamos realizar sonhos...alguns perdidos pelo caminho!
    Mas para que sejam sonhos realizáveis é preciso que sejam concretizáveis esses sonhos, sem dúvida...Contudo, penso que mesmo sonhando utopicamente... são sempre razões de nos mantermos vivos.
    Feliz Natal e um Ano Novo muito prometedor.
    Beijo
    Graça

    ResponderEliminar
  12. Também depende um pouco daquilo que sonhamos, não é verdade?

    ResponderEliminar
  13. Teresa

    Se não perseguirmos os sonhos realizáveis, somos sempre como uma obra inacabada no fundo de uma gaveta e a vida assim, é um enorme desperdício!

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  14. " e o sonho comanda a vida" que será de nós sem sonhos...
    Bjs

    ResponderEliminar
  15. Belíssima reflexão. Mesmo quando os sonhos não são (aparentemente)realizáveis, vale a pena sonhar um pouco. Desde que o façamos com os pés na terra.

    ResponderEliminar
  16. Sonhos e retrospectivas...
    Quando sonhamos a dormir sonhamos sobre o passado, ao contrário, quando sonhamos acordados, sonhamos sobre o futuro e, embora não sonhemos realmente, projectamos os nossos desejos mais íntimos numa espécie de éter, onde, eventualmente, se constrói esse futuro.
    Assim, sendo a palavra sonho usada numa ou noutra acepção, falamos de objectivos ou retrospectivas, da nossa própria vida... parece-me contudo haver um ponto comum, e daí concordar com os "m(s)eus óculos do mundo"... a sua ocorrência é em grande medida a realização de nós próprios... é que uns e outros são expressões do mais profundo do nosso ser.
    Também a utilização intrínseca dos nossos sonhos, uns e outros, é não menos revelador daquilo que nós somos. Há quem passe a vida à espera que os seus sonhos diurnos se realizem por obra e graça divina, ou que se insinue apenas na sua concretização... as probabilidades de se realizarem variam do nulo ao medíocre...
    É que lutar por certos objectivos é muito difícil, demasiado difícil...
    Haja quem nos acorde para essa realidade.

    ResponderEliminar