sábado, 24 de outubro de 2015

Quem matou as princesas da minha infância?



Eram todas lindas e inocentes. Loiras ou morenas, europeias, índias ou cheias de encanto oriental, sofriam os mais horríveis tormentos, eram abandonadas, maltratadas, humilhadas, sempre sem um pensamento de vingança. No final, a sua bondade, beleza e inocência acabavam por levar a melhor sobre a maldade do mundo que as rodeava. Encontravam um principe, ou um sapo charmoso, e viviam felizes para o resto da vida. E nós também iamos felizes para a cama. Eram as princesas da Disney.
A Branca de Neve e a Cinderela, a Mulan e a Pocahontas. Acompanharam a infância e os sonhos de gerações de meninas, desde a minha mãe à munha filha. As princesas da Disney eram as nossas heroínas e os nossos modelos.
Descobri há pouco tempo que um artista plástico decidiu pegar nessas fantásticas princesas da nossa infância e transformá-las em personagens eróticas. Eu sei, eu sei: há fetiches de todo o estilo e feitio e isto já não é novidade. Mas, até agora, não era arte. E eu senti-me verdadeiramente ultrajada por esta nova abordagem.
As princesas da Disney representavam o que havia de mais puro e inocente. Não gostei nada de ver a Branca de Neve de cuequinhas provocantes ou a Pocahontas em roupa interior insinuante. Senti-me chocada, como se a minha própria infância tivesse sido conspurcada.
A nossa sociedade e a nossa cultura são altamente sexuadas e o sexo, explícito ou implícito, está em todo o lado. Vivemos bem com isso, já estamos todos habituados. Mas algumas coisas podem ficar de fora, não? Para quê matar as princesas da minha infância?

7 comentários:

  1. Disney e os nossos momentos de felicidade deviam merecer mais respeito !

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Além do que falas, há ainda a acrescentar o facto de dizerem que os desenhos animados da nossa infância eram violentos. "Pelise"!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, comparados com algumas coisas que os miúdos vêem hoje...

      Eliminar
  3. Olá, Teresa

    Contente por reencontrá-la. :)
    As princesas desses contos eram uma espécie de património que nos pertencia, não é? Penso que já está tudo inventado e as pessoas não fazem mais do que repetir-se e mexer, bem ou mal, no que já existe.
    Bj
    Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Olinda
      Eu acho que ainda se pode inventar muita coisa. Há outras coisas que bem podem ficar como estavam. Era o nosso património de infância, sim.
      Bjs

      Eliminar
  4. Eheh ninguém as matou, apenas as despiram :P Achei imensa graça, não me chocou nada :) E mais fã da disney que eu não há. Mas percebo.te perfeitamente ;)
    Só agora reparei que voltaste a escrever e que a pausa no blogue terminou (também eu estive em pausa...). Fiquei contente!

    ResponderEliminar