terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Crónica de Natal

Quando chega esta época do ano, é irresistível fazer um balanço. O Natal é um marco importante do ano, junto ao final do ano civil, coincidente com o solstício de inverno, a época mais fria e escura de todo o calendário. Por isso temos a tendência de a encher de luzes, cores e alegria. Podemos gostar ou não. Ele aí está, pontualmente, todos os anos.
Confesso que este Natal me pareceu diferente dos anteriores. Festejei-o num contexto diferente, embora com as mesmas pessoas, os que amo e me apoiam desde sempre. Mas foi o ambiente geral que me pareceu diferente. Suponho que a culpada é a crise. E, no entanto (que me desculpem os desempregados e outras pessoas que sentem a crise de forma mais aguda), nalguns aspetos pareceu-me melhor e mais genuíno.
Comecemos pela Baixa lisboeta. Costumava rebentar de luzes e enfeites de Natal. Em Novembro já havia anjinhos e pinheiros por todo o lado, bolas vermelhas e douradas, cânticos de Natal. Este ano a contenção de despesas ditou a contenção das decorações. Por um lado tenho pena. Mas, por outro lado, quando chegava realmente o Natal, já todos sofríamos de overdose de espírito natalício. Este ano não corremos esse risco.


(Lisboa à noite, no Natal)
Depois, havia a pressão consumista. Todos competiam pelas prendas maiores, mais caras, mais vistosas. Eu via isso nos meus alunos. Todos comentavam as prendas que tinham recebido, o novo computador, a “Play-station”, o telemóvel último modelo. Se algum se atrevia a confessar um simples modelo da Lego para montar, ou um livro sobre magia, era ouvido com olhares de comiseração e risos sarcásticos. Este ano o ambiente foi diferente. A nota dominante era a compra de umas lembranças. Coisas mais simples, talvez mais sentidas e personalizadas. Ouvia-se dizer que o que era importante era estar com a família, com saúde e amizade. E isso é que é mesmo o mais importante!
Tudo tem os seus aspetos positivos e negativos. Há sempre dois lados para a mesma moeda. E se a crise nos trouxe de volta a uma realidade menos feérica e menos materialista mas mais sentida e mais de acordo com o espírito da época, então, vamos aprender, crescer e sair da crise um pouco melhores do que éramos antes.

14 comentários:

  1. Há que séculos que não apareciam estes óculos de ver...o Natal, desta vez! :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Que tempão já passou desde a tua última presença neste universo blogueiro !
    Que tudo corra conforme os teus desejos em 2012.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. Rosa, João

    É verdade, há muito tempo que não andava por aqui. Mas continuo a olhar para o mundo com os meus óculos especiais e a ter vontade de escrever sobre o que vejo. Vamos lá ver se desta vez consigo manter-me mais assídua.
    Obrigada pela vossa presença.

    ResponderEliminar
  4. Puxa, que saudades! Bom te ver e a crônica? Linda! beijos,ótimo 2012!chica

    ResponderEliminar
  5. Chica

    Obrigada pelo carinho!
    Beijo e um 2012 cheio de coisas boas!

    ResponderEliminar
  6. Teresa, são muito sábias as tuas palavras. Penso que é uma grande riqueza saber refletir e reconhecer o lado positivo dos acontecimentos, pois, sejam eles quais forem, sempre há um ponto positivo e, por menor que ele seja, com sabedoria, como a que tiveste, podemos fazê-lo crescer e dominar todo o lado negativo. A crise abate-se por todo o mundo. O importante é que o amor não se acabe. Um Feliz Ano Novo para você, com aquilo que há de mais importante: amor e paz. Um grande abraço do lado de cá do oceano.

    ResponderEliminar
  7. Obrigada Sueli
    Um Bom Ano de 2012 para ti também.

    ResponderEliminar
  8. Que bom, voltar a encontrar-te por estes lados! Confesso que já tinha (muitas) saudades...
    E como sempre, com palavras muito sábias e com as "lentes" dos seus óculos muito bem limpas e ajustadas à nossa realidade.
    Fica por cá e... Feliz Ano Novo.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  9. Ah que bom te-la aqui Teresa
    nos distanciamos do mesmo modo que nos aproximamos, aqui isso é possível, sem que se interrompa o espírito das blogagens que é partilhar o momento.
    Um bom olhar sobre o que o Natal em tempo de crise,uma volta ao verdadeiro e real motivo da comemoração do nascimento do menino que revolucionou o mundo com suas brilhantes teses sobre o amor entre os homens .
    Que 2012 seja um Ano Bom pra voce Teresa, pra todos nós! prá Portugal , também pro Brasil.
    com saudades deixo abraços

    ResponderEliminar
  10. Romicas
    Confesso que também já tinha saudades de andar por aqui! Bjs

    ResponderEliminar
  11. Lis
    Obrigada pelos votos. Um bom ano de 2012 para todos nós! Um grande beijinho.

    ResponderEliminar
  12. Eu quase tenho medo de desejar um Bom Ano.
    Mas que este 2012 ao menos nos traga mais postagens tuas, já que nos deste este post como prenda de Natal.

    ResponderEliminar
  13. Pinguim
    Medo nunca! Um excelente ano de 2012 para todos nós! Com menos dinheiro, sem dúvida, mas com tudo o resto em dobro!
    Bjs

    ResponderEliminar