sábado, 17 de julho de 2010

Amigos

Hoje, recebi uma demonstração de afecto num blogue que costumo seguir, o Só te peço 5 minutos. Fico sempre comovida, porque a blogosfera é um mundo de que se diz o melhor e o pior, mas eu, por sorte certamente, só tenho recebido o melhor. Para mim, tornou-se uma comunidade de pessoas que se ouvem, se respeitam e se estimam, como disse nesse blogue. São importantes para mim.
Infelizmente, não tenho podido dedicar a essas pessoas e ao blogue o tempo que merecem. O trabalho acumulou-se, neste final do ano lectivo. Juntou-se-lhe o cansaço e a inércia. E o blogue foi ficando para trás. Não esquecido, mas suspenso. 
Prometo voltar, depois das férias, com o corpo renovado e a mente limpa. Até lá, obrigada a todos os amigos que me acompanharam. Se precisarem de alguma coisa, eu continuo por aqui, é só enviarem-me uma mensagem. And I'll be here, you've got a friend.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Festival de Papagaios


Durante o último fim de semana, voaram nos céus da Praia dos Moinhos, em Alcochete, centenas de Papagaios.  Vieram dos quatro cantos do mundo, da Itália à Suécia, da China à Malásia, para colorir o céu, fazer acrobacias e voos sincronizados, animar os espectáculos musicais.


Foi o 9.º Festival Internacional de Papagaios. Como é costume, foi um espectáculo de cor e perícia. Quem não esteve em Alcochete este fim de semana, não sabe o que perdeu! Eu prometo que, da próxima vez, aviso com antecedência.
Deixo aqui apenas algumas imagens, para abrir o apetite!


(Fotografias de FAires)

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Em memória dos Slows

Finalmente, aderi ao Facebook. Depois de muita resistência, e de muitos meses a recusar os convites, lá cedi. Na verdade, fui levada por um colega que estava a organizar um encontro de antigos alunos do meu liceu e até tem sido divertido reencontrar gente que já não via há tanto tempo.
Para quem gosta de escrever, como eu, o Facebook não se compara com um Blogue, que dá outra profundidade de análise e tem outro impacto. Mas é engraçado e muito interactivo. Uma das coisas que descobri foram os Grupos. Há grupos para tudo e mais alguma coisa. Um dos primeiros que descobri, chamava-se Em Memória dos Slows das Festas de Garagem, agora com um sucedâneo chamado Mania dos Slows. Os aderentes ao grupo vão colocando online músicas antigas, que nos levam até aos tempos, recuados, das chamadas festas de garagem. Recordo-me bem desses tempos da minha juventude. Havia sempre algum amigo que tinha uma garagem, ou um armazém, ou mesmo uma sala suficientemente espaçosa. Os amigos juntavam-se, tratavam da organização da sala, das luzes (convinha que fossem veladas!), cada um trazia os seus LPs, os velhos discos de vinil, faziam-se umas sandes, compravam-se umas bebidas. E dançava-se, dançava-se muito.
Também havia os Convívios dos Liceus, organizados pelas Associações de Estudantes para angariar dinheiro para as viagens de finalistas. Eram aos sábados à tarde, e a organização era basicamente a mesma de uma festa de garagem, só com mais gente e, eventualmente, uma bola de espelhos. O denominador comum a todas estas festas eram os slows. Músicas lentas, românticas, para dançar face na face. Em média, a cada hora de slows sucedia um quarto de hora de shakes, isto é, música mais mexida, para dançar sozinho.
Esquecia-me de avisar: este post dirige-se a todos os meus leitores que tenham cerca de cinquenta anos. Os outros, peço que me desculpem, nem percebem de que é que eu estou a falar!

Para recordar essa época, trouxe um slow, claro. Aqui está Angie, provavelmente o slow mais passado e mais dançado nas festas dos anos 70. Ponham o som bem alto e bom fim de semana!